Os Agentes do Crescimento

Crescimento econômico (aumento do PIB) ocorre através da decisão e trabalho de empresários, e através das decisões de alocação de recursos dos políticos. Os empresários são a origem de tudo porque eles criam os negócios que pagam os impostos e viabilizam um orçamento para o governo alocar da maneira mais eficiente possível. Simplificando podemos dizer que os empresários são responsáveis por 70% do potencial de crescimento e o governo por 30%, utilizando % de participação no PIB.

O capitalismo é um mecanismo que garante que os mais eficientes definam onde os recursos econômicos devem ser alocados. Livre concorrência entre todos os empresários atuantes no país. O objetivo de maximização dos lucros garante a maximização da produtividade das empresas.

O governo, com os recursos arrecadados das empresas e famílias, deveria alocá-los da melhor maneira possível respeitando um superávit nominal nas despesas, sobrando recursos para os investimentos. Contudo os governantes não possuem o mesmo incentivo de lucro dos empresários e acabam criando distorções como os pixulecos. Cabe aqui a criação de um incentivo legítimo que faça com que os políticos busquem a maximização do crescimento do país, e fiquem milionários com isto. O Bônus Público.

Empresários e políticos são agentes tomadores de risco, a elite de nosso país, responsáveis pelo nosso crescimento. Como todo ser humano precisam dos incentivos corretos. O modelo mais aderente que conheço para o comportamento humano é o REMM do Michael Jensen (Resourceful, Evaluative and Maximizer Model). Somos criativos, avaliadores e buscamos maximização de nossos interesses. Temos interesses próprios antes do interesse dos outros. Conhecemos a pirâmide de necessidades de Maslow e emocionalmente procuramos postergar a dor (pain avoidance model). Reconhecemos o Custo do Agente (desvio de conduta + sistema de monitoramento + sistema de incentivos) e a necessidade de minimizá-lo para a eficiência econômica.

A minimização do custo do agente envolve a criação de um sistema de alinhamento de incentivos (remuneração variável) além do monitoramento e acompanhamento de possíveis desvios de conduta. A falta de um alinhamento de incentivo dos políticos originou a situação dos pixulecos amplamente coberta pela Operação Lava Jato quando o sistema de monitoramento jurídico brasileiro começou a funcionar.

Nossos políticos merecem e precisam deste incentivo, com bônus milionários relacionados ao crescimento e melhoria do país. O nível de responsabilidade e a complexidade das decisões tomadas exigem este sistema para garantir a atração de talentos para estas posições. Sem este incentivo sempre conviveremos com pixuleco nos investimentos, banco central maximizando os juros para o lucro do sistema financeiro, prejuízos nas estatais, déficit fiscal e gestores inadequados em posição de comando.