Aumento do Crédito: mais um gol contra.

O governo federal no intuito de animar a economia resolveu aumentar o crédito em R$83B. Outro gol contra, da mesma forma que usa os juros para combater a inflação.

Aumentar o crédito para empresas em dificuldade ou consumidores sem renda não faz sentido econômico. Não se deve emprestar dinheiro para quem não pode pagar. Afunda mais a economia. É como um empresa que dá prejuízo continuar funcionando. Cada ano fica pior. Foi o que o governo fez com o setor sucroalcooleiro. Prejudicou o negócio emprestando dinheiro mas abaixando as margens (retirou CIDE, conteve preço da gasolina, manteve câmbio sobrevalorizado). Ajudou a inviabilizar o setor.

Os empresários precisam de mais negócios lucrativos. Dinheiro está sobrando, só que preferem deixar no banco ganhando juros sem fazer esforço. O próprio Bradesco falou que não tem gente querendo pegar empréstimos. Há poucos projetos lucrativos a ponto de reanimar a economia. Aumentar a capacidade de consumo com o crédito, sem ter renda para pagá-lo de volta, é entrar em um buraco negro. E o governo está facilitando a entrada.

Não adianta ficar brincando de crédito e juros altos. São medidas que prejudicam ainda mais o doente, apesar de parecer em alguns casos que alivia a dor momentânea. O foco precisa ser em aumentar perspectiva de lucro e eliminar o déficit nominal. Câmbio desvalorizado, juros minimizados, redução de despesas e inflação de mercado é o único caminho sustentável que temos. Maximização de emprego a qualquer custo.

 

Publicado por

Eduardo Giuliani

Edu é empresário nos setores de agronegócio, bioenergia, venture capital e imobiliário. Trabalhou como consultor pela McKinsey & Co. (1991-97) e investidor pela Advent International (1998-99). Iniciou estudos sobre crescimento econômico em 1994 com o Curso National Economic Strategies de Bruce R. Scott na Harvard Business School (Membro do U.S. Competitiveness Policy Council). Cursou System Dynamics no MIT (1994). Liderou trabalho de produtividade em Telecomunicações e Construção no McKinsey Global Institute (1997). Engenheiro de Produção pela Escola Politécnica da USP (1989). MBA pela Harvard Business School (1995). Tenente da Reserva do Exército (1985). Casado. Três filhos. Tri-atleta.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s