Atitude de Brasileiro, Cidadão do Mundo

Nossas atitudes são a principal causa de não estarmos evoluindo. Nós, brasileiros com renda acima de R$5K/mês (estimo em menos de 10% da população), que possuem consciência clara da situação e determinam as principais decisões do país, estamos cometendo erros em nosso dia a dia que nos colocaram neste imbróglio econômico e social em que nos encontramos. Precisamos parar de colocar a culpa em questões externas (políticos, estrangeiros, juízes, governo etc.) e reconhecer que nossas atitudes são a causa. Economistas, empresários e advogados.

Certo é o que dá certo, não o que parece certo. Com esta regra básica de busca da Verdade, devemos abrir nossas mentes para achar as reais causas que precisam ser combatidas para garantir nossa Evolução.

A Lei da Evolução é uma das principais Leis Naturais com a qual convivemos. Desde o primeiro próton há 14 bilhões de anos, o universo evolui constantemente. Vida começou há 2 bilhões de anos com a primeira célula e hoje nossa alma habita esta máquina fantástica que é o Corpo Humano.

A constante busca da Verdade garante esta evolução. Verdade não é o que algumas pessoas dizem. Não há dono da verdade. Verdade é tudo que pode ser contestado e os fatos demonstram que ela faz sentido. A regra da Fé é uma das regras criadas para manipular seres humanos a viverem fora da Verdade. Adão e Eva, Terra Plana, Geocentrismo e até mesmo Deus, foram conceitos de Fé que mais serviram para manipular os seres humanos do que para Ilumina-los.

Como Brasileiros, Cidadãos do Mundo, precisamos garantir a evolução de nossa comunidade através da constante busca da Verdade em questões religiosas, sociais, ambientais e econômicas. O governo medíocre que se instalou no país está aplicando um modelo de fé, de salvador da pátria, tentando cegar os brasileiros com suas ideologias extremamente infelizes. Coragem, meritocracia e cidadania não são os valores da maioria dos membros do governo, apesar de serem das Forças Armadas que construíram esta Nação. Vivemos em uma Dinastia da Bozolândia e precisamos enfrenta-la como enfrentamos os governos anteriores.

Na frente religiosa, tivemos um 7 de setembro com um sacerdote no altar, situação típica de Idade Média. Inúmeros ilícitos religiosos no Congresso, pagos para garantir os direitos deste grupo, que sem consultar Deus, não querem pagar tributos. Objetivo da religião é fazer o Bem para a maioria, não é arrecadar o máximo de fundos para o sacerdócio como vemos claramente no caso brasileiro, incluindo a igreja católica do vaticano de ouro e a maioria das evangélicas.

Na frente social há um total menosprezo para emprego, educação e inclusão social, fatores primordiais para nossa evolução como comunidade com substância de conhecimento.

Na frente ambiental acham que têm o direito de detonar nosso meio-ambiente em nome do progresso criado por uma minoria de empresas florestais e agrícolas que geram empregos braçais em pouco volume e de baixo valor agregado. Irrelevantes para a economia nacional. Trogloditas queimando as florestas.

Na frente econômica a cegueira é a mais maléfica porque com a falta de recursos o dano nas outras frentes é ainda maior. Economia foi criada para gerar progresso constantemente, sem desculpas. Smith e Keynes foram os dois principais nomes que demonstraram este caminho. Singapura, China, Coréia do Sul e EUA são exemplos da viabilidade deste modelo. Uma nação só não gera progresso constantemente se houver algum grupo manipulando a situação. É exatamente este o caso do Brasil:

  • Taxa de juro nível neutro deveria ser de 1-2%, não 6%. Seguindo melhores práticas internacionais nas quais o juro é definido para garantir pleno emprego através de política expansionista de base monetária (Friedman). Mercado internacional atualmente cobra 1% de juro real do Brasil para títulos de curto prazo. Nosso governo deveria pagar menos do que isto no mercado interno onde controla esta taxa, não mais.
  • Lucro dos bancos multiplicou-se 26X de 1997 a 2018, 10% de crescimento real por ano enquanto o país cresceu menos de 2,4%.
  • Membros do Copom, que definem a taxa de juro, são do mercado financeiro. Atual presidente é do Santander.
  • Taxa de câmbio de nível de competitividade econômica internacional para o Brasil é de R$9. Efeito de doença holandesa de nossas commodities agrícolas e minerais sobrevaloriza esta taxa, causando desindustrialização e perda de arrecadação tributária.
  • Oligarquia do agronegócio que domina o Congresso mantém a Lei Kandir, que isenta exportações de commodities agrícolas e minerais de pagarem impostos sobre o faturamento (ICMS, IPI, PIS-COFINS)
  • Menosprezando situação de desemprego e falência fiscal do país, equipe econômica atual foca exclusivamente em temas de interesse do setor financeiro:
    • Reforma da previdência privilegiando negócio para a previdência privada
    • Privatização gerando negócios para os bancos de investimento
    • Retirada das instituições financeiras públicas do mercado de crédito (BNDES, CEF, BB); deixando este mercado exclusivamente para o setor privado (como empresário estou pagando juro de 21% ao ano para financiar equipamentos industriais, concorrência internacional paga 2-3%)
    • Independência do BC para garantir a perpetuidade destas políticas macro-econômicas irresponsáveis; já tinham colocado a missão de minimizar inflação ao invés de maximizar emprego (missão do FED nos EUA)
  • Desempenho pífio:
    • em crescimento (menos de 1% em 2019, 2% em 2020),
    • em desemprego (12% podendo piorar),
    • em responsabilidade fiscal (quebraram regra de ouro em R$240B em 2019 e vão quebrar de novo em 2020) e ainda querem aumentar a carga tributária com novos tributos (CPMF)

Apesar de todas estas evidências, não há uma discussão honesta sobre estes temas. Há cegueira de opinião, perspectivas ideológicas de falso liberalismo, condenação do PT, discriminação na sociedade, desrespeito ao meio-ambiente e comportamentos desonestos evidentes na presidência: questão Queiroz, prole em cargos do governo, desvios dos esforços Lava Toga, envolvimento do sacerdócio desonesto em política, influência na Polícia Federal, nos órgãos de controle (COAF), alinhamento com ilícitos do Congresso e do STF.

Em resumo o país está uma baderna e nós continuamos sendo os culpados. Economistas, empresários e advogados precisam se unir para trabalharmos em prol da Verdade em Atitude de Brasileiro da Era do Moro, não de Covarde da Era da Lei de Gerson.

Presidente Moro na Democracia Ineficaz

Moro é a melhor solução para a Presidência do Brasil considerando nossa História e contexto político. É necessário que construamos esta alternativa antes de 2022.

Tem brasileiro que acha que vive em país democrático porque vota para os cargos políticos. Com 37 milhões morando em favelas (18% da população), 12% no desemprego, 43% na informalidade e uma das piores concentrações de renda do mundo, é impossível querer acreditar que vive em uma democracia que visa o Bem da maioria. Os fatos demonstram que isto não é verdade.

Apesar de não vivermos em uma democracia plena, o melhor sistema para os brasileiros é o do voto direto para presidente. Basta analisar nossa história. Sempre que dependemos do Congresso para alguma decisão importante tivemos problemas sérios:

  • Em 1922 não impediram que Artur Bernardes assumisse na política do Café com Leite, apesar do povo estar totalmente contra o candidato
  • Em 1961 na renúncia do Jânio, instalaram um parlamentarismo com o Tancredo que foi o maior fracasso. Piorou a situação.
  • Em 1988 fizemos a Constituição dos Direitos Sem as Responsabilidades, que fez surgir um dos maiores esquemas de corrupção da humanidade, nos 3 poderes.
  • Em 2016 distorcem Leis Anticrime na noite do acidente da Chapecoense
  • Em 2017 mantém Temer (o Ilícito) por duas vezes no poder apesar de 90% de desaprovação popular
  • Em 2019 tentam passar leis para conter Abuso de Autoridades que buscam por um fim a Era da Lei de Gerson; tiram COAF da Justiça e perseguem Sergio Moro.

Nosso Congresso não forma líderes, simplesmente agrupa inúmeros ilícitos, que sempre controlam a maioria. Vários dos brasileiros mais ilícitos que tivemos passaram pela liderança do Congresso (Sarney, Temer, Cunha, Renan etc.).

Por outro lado, via voto direto, sempre escolhemos o menos pior dos candidatos. No momento da perda não sentimos isto, mas se analisarmos as circunstâncias históricas, considerando o que seria melhor para a maioria da população, precisamos reconhecer que os melhores sempre venceram.

Para continuarmos a evoluir, precisamos melhorar os candidatos, de maneira a termos menos piores realmente bons. Este foi o caso até 1984, e deixou de ser quando entramos nesta fase de Democracia Imperial (1985-2018) com desempenho econômico pífio de menos de 2,4% de crescimento por ano.

No atual imbróglio político e econômico que nos encontramos, com a Dinastia da Bozolândia piorando o país economicamente, dividindo os brasileiros, tentando desrespeitar a governança da Justiça (Polícia Federal, COAF, Queiroz, Milícia, Receita, acordo com Toffoli), desrespeitando o meio-ambiente e a boa diplomacia, corremos o sério risco de voltar a um ciclo de candidatos menos ruins em 2022. A alternativa Doria, com inteligência e competência, é amarrado com os ilícitos políticos e empresarias do passado. Seu amigo Temer fez com que ele quase perdesse a eleição para governador. Neste contexto volta a forte ameaça da esquerda irresponsável e ilícita.

A solução de consenso nacional é o Sérgio Moro. Ele já teria ganho do próprio Pixuleco nas eleições passadas, contudo não quiz partir para a carreira política. O único brasileiro com apoio legítimo da população, por mérito, e com o devido nível de inteligência é ele. Bozo está tentando diminuir o papel do Moro, contudo o poder de sua imagem é inquestionável. Temos desafios sérios para consertar as instituições (Congresso, Justiça, Executivo, Banco Central etc.). Moro é o Presidente de Honra do Brasil e precisamos convence-lo disto.

Um Plano para o Governo: Revolução Democrática

Tivemos líderes muito bons no Brasil. Os que mais se destacaram na geração de riqueza através de emprego e inclusão social foram Costa e Silva, Médici, Vargas, JK e Castello Branco.

Estamos em um grande imbróglio institucional e econômico. Ilícitos no Congresso e no STF se defendendo, desemprego alarmante e sem perspectiva de redução no curto prazo, dinastia da Bozolândia em questões de laranjas e diplomáticas, divisão improdutiva entre esquerda e direita. Uma das piores concentrações de renda do mundo ficando ainda pior. E as mesmas oligarquias de sempre controlando a agenda do país: financeira, agronegócio, sacerdócio e servidores. Como aproveitar os melhores recursos que temos e fazer um Reset no país? Nossos líderes já fizeram isto algumas vezes no passado: 1889, 1930 e 1964. Está na hora de novo.

PLANO PARA O GOVERNO: REVOLUÇÃO DEMOCRÁTICA

Liderança: Sérgio Moro, Mourão ou Bolsonaro Enquadrado

Economia. Resolução de problemas fiscais e de emprego.

  • Estabelecimento de Ministério do Planejamento forte para trabalhar plano de crescimento com inclusão social para os próximos 30 anos. Taxas mínimas de 6% ao ano.
    • Taxa de câmbio de nível de competitividade econômica internacional de R$9
  • Nomeação de Presidente do Banco Central independente do setor financeiro, por mérito seria André Lara Resende, mente responsável pelo Plano Real, com responsabilidade social, fiduciária e fiscal necessárias para o cargo
    • Taxa selic de juro neutro de 1-2% ao ano
  • Definição de Estrutura Tributária inteligente com base nas melhores práticas internacionais em cima de receita, lucro e patrimônio.
    • Tributação na exportação de commodities agrícolas e minerais com o novo patamar cambial (eliminação do efeito de doença holandesa).
    • Tributação do sacerdócio

Justiça. Resolução de problemas de valores éticos e morais

  • Demissão dos ministros com forte suspeição ilícita indicados por ilícitos para o cargo: Gilmar Mendes, Toffoli, Lewandowski, Moraes, Marco Mello e Celso Mello
  • Seleção de 6 novos membros feita pelos 5 membros restantes (Fachin, Fux, Barroso, Weber e Carmen Lúcia)

Congresso. Estabelecimento de uma Carta com responsabilidades e direitos.

  • Fechamento imediato do Congresso
  • Convocação de Assembléia Constituinte através de voto distrital
  • Definição de Princípios importantes para a Nova Constituição em termos de responsabilidades e direitos dos cidadãos. Observação de melhores práticas internacionais (p.ex. EUA, Singapura e Holanda).
    Missão de crescimento econômico com inclusão social respeitada em cada linha dos Princípios e do Detalhamento
    Economia (foco em crescimento, emprego e questões fiscais),
    Inclusão social (direcionamento de investimentos para educação, saúde, moradia e transporte públicos)
    Política (voto distrital, recall de presidente, governadores e prefeitos com desempenho e aprovação abaixo de metas estabelecidas, controle e limite da participação de membros de igrejas e servidores públicos)
    Servidores (remuneração e condições similares ao setor privado),
    Crimes (pena capital)
  • Proibição de voto em questões de conflito de interesse (regulamentação e controle dos lobbies)
  • Detalhamento consistente com os Princípios
  • Acomodação de interesses tendo como base a 2a melhor opção de cada grupo.

Fundo de Inclusão Social. Eliminar a miséria e enriquecer os cérebros dos brasileiros

  • Criação de Fundo de Inclusão Social com recursos recuperados de agentes ilícitos dos últimos 50 anos: empreiteiros, banqueiros, políticos, igrejas, servidores, produtores rurais e outros agentes que prejudicaram nossa comunidade
  • Gasto prioritário em educação, saúde e moradia dos 20% mais pobres do Brasil

Eleições Diretas para todos os cargos no Executivo e no Legislativo.

 

O Foco tem que ser na Demanda

O governo brasileiro está focando suas energias no liberalismo de oferta, e menosprezando a importância do planejamento macroeconômico para o fortalecimento da Demanda por nosso trabalho. Precisamos considera o sucesso de planejamento governamental nos casos de Singapura, China, Coréia do Sul e EUA. Temos uma grande oportunidade à frente, nos mercados de EUA e China/Ásia, e temos que aproveita-la com inteligência, no espírito nacionalista de Getúlio Vargas, JK, Costa e Silva, e Médici.

O Brasil vive um grande momento em sua História no qual temos um recorde de participação da população tentando melhorar o País:

  • Em 2011 Dilma é eleita com o objetivo de Eliminar a Miséria no país.
  • Em 2012 tenta através da Nova Matriz Econômica reduzir o juro, diminuir tributos e dar incentivos para a indústria nacional crescer
  • Em 2013 manifestações de rua forçaram mudanças na legislação melhorando práticas anti-corrupção (p.ex. delação premiada)
  • Dilma libera elevação de juro e quebra a Nova Matriz. Selic de 7,25% sobe para 14,25%. PIB de +3% cai para -4% e coloca o país em uma de suas piores depressões.
  • Em 2014 Operação Lava Jato inicia Era do fim da Lei de Gerson. Ilícitos ficam desconfortáveis em todos os cargos públicos e inúmeros vão para a cadeia com a aprovação de prisão após condenação em 2a Instância. Regra mantida no STF pelos 4 ministros indicados por Dilma (Barroso, Fachin, Weber e Fux)
  • Dilma é impedida em 2016, Cunha é preso em 2017, Lula em 2018 e Temer em 2019
  • Em 2019 Bolsonaro assume com a Dinastia da Bozolândia (desmeritocracia, ego e discriminação de brasileiros petistas e outros) e com uma equipe econômica liberal que nada faz para melhorar as condições de vida do brasileiro. PIB cai 0,2% no primeiro semestre, desemprego se mantém em 12% e as projeções econômicas são todas medíocres para um país em desenvolvimento.
  • Insatisfação popular se acentua e tende a se agravar; a população brasileira continua acompanhando a política de perto.

Em resumo, não há motivos para cruzar os braços. O país não vai melhorar se ficarmos parados. A pressão tem que continuar na busca da Verdade do que é melhor para nossa comunidade.

Economia é o que mais afeta a qualidade de vida de todos nós e a situação continua muito ruim com desemprego por volta de 12%, informalidade em 43%, salário médio de R$2,5K/mês, desindustrialização, desalento, queda de renda e discriminação entre brasileiros.

E é neste aspecto econômico que o governo Bolsonaro mais decepciona apoiado pelos mesmos empresários que nos colocaram neste buraco. Uma visão míope de um falso liberalismo que não traz progresso significativo. As economias mais fortes e de maior sucesso em crescimento econômico não utilizam liberalismo irresponsável. Possuem claro foco em geração de emprego e renda para sua população. Vide Singapura, China, Coréia do Sul e EUA: Crescimento Inflação e Liberalismo.

A equipe econômica e os empresários que a apoiam estão concentrando esforços em questões de oferta (produtividade, privatização, desburocratização, previdência, abertura de mercado, reforma tributária, concessões etc.) com muito pouca atenção para questões de demanda que impulsionam crescimento, renda e solvência das contas públicas. Duas variáveis colocam o Brasil no trilho do progresso: câmbio de competitividade econômica internacional (R$9) e juro taxa neutra de 2%.

O câmbio afeta a demanda no consumo externo (aumento de exportações), no consumo interno (substituição de importações) e nos investimentos (aumento do lucro gera mais investimentos das empresas privadas e aumento de arrecadação tributária que gera mais investimentos públicos). A taxa de juro neutra de 2% aumenta o crédito que aumenta o consumo interno e a arrecadação, assim como reduz as despesas financeiras do governo aumentando a poupança fiscal que se transformará em investimento público.

É importante alavancarmos este alto nível de participação que atingimos para esclarecermos dúvidas sobre como realmente devemos gerar riqueza em nosso país e promover a inclusão social que enriquecerá ainda mais nossa comunidade.

Empresários no Brasil, Vamos à Guerra!

Nós somos os únicos responsáveis pela lama em que o país se encontra. Covardia e ignorância macroeconômica permitiu que esta situação se instalasse. Contudo não somos covardes e temos condições de aprender o que é necessário para vencer nossos obstáculos diários.

Há 3 agentes econômicos relevantes para o país: empresários, políticos e militares. Os empresários (4 milhões de brasileiros) geram riqueza, empregam a população e pagam os tributos. Os políticos definem a demanda agregada (juro e câmbio) e alocam os recursos para garantir inclusão social (democracia). Os militares vigiam empresários e políticos para evitar formação de oligarquias que não beneficiam o país, garantem a cidadania. Nem políticos, nem militares têm competência para entender como funciona a Economia. Os empresários têm obrigação.

A Ciência Econômica teve dois Iluminados relevantes: Smith e Keynes. Smith definiu a Economia (capitalismo) e Keynes a Macroeconomia (demanda agregada e emprego). O objetivo é maximizar geração de riqueza (PIB) com inclusão social. Singapura e China são as duas grandes evidências dos últimos 50 anos de como é possível crescer consistentemente a taxas altas fazendo inclusão social. A única desculpa para não atingir estes resultados é inépcia macroeconômica e má fé de quem define estas políticas.

De 1997 a 2018 o lucro dos três maiores bancos brasileiros multiplicou-se por 26X, de R$2,1B para R$55B (Brasil Macro 1996-2018), 17% de taxa de crescimento anual nominal e 10% real, enquanto o Brasil cresceu 2,3%, desempenho nacional pior do que no Brasil Império. Este período foi definido por missão de banco central de minimizar inflação (ao invés de maximizar emprego como o FED) e tripé macroeconômico inepto e ilícito (meta de inflação, câmbio flutuante e superávit primário). Todos instrumentos para institucionalmente garantir a lucratividade das instituições financeiras.

Esta agenda está sendo toda garantida por agentes dos bancos (Itaú, Bradesco e agora Santander) dentro das instituições financeiras públicas nacionais (BACEN, Copom). Governança pífia na definição da taxa de juro e de políticas públicas que deveriam priorizar a geração de emprego nacional. (A Seita: Um Sistema Financeiro Contra o Brasil).

O prejuízo acumulado para o Brasil está em R$25 trilhões de perda de PIB de 1994 a 2018 (Estimativa de Perda de PIB). A atuação deste grupo ficou mais evidente a partir do segundo semestre de 2013 quando forçaram a retomada do aumento do juro após as manifestações de junho que derrubaram a popularidade da Dilma de 63% para 31%. Em 2013 a economia estava normal, em seu típico ano de vôo de galinha, com 3% de crescimento, déficit nominal de 3% e dívida em 51% do PIB. Ao elevarem o juro para 14,25% caiu arrecadação fiscal, aumentou as despesas financeiras e o déficit nominal afundou para 10% e o PIB para -4%. Desemprego saiu de 4,8% em 2014 para 12,7% em 2017 (Brasil Macro 1996-2018). Tentam jogar a culpa da depressão na Nova Matriz da Dilma, dizendo que a redução do juro em 2012/2013 causou a depressão em 2015/2016. Muita má fé macroeconômica.

O Guedes está implementando um plano de negócios para o setor financeiro, para garantir a continuidade desta alta lucratividade:

  • diminuindo a previdência pública para aumentar as oportunidades para a previdência privada,
  • tirando os bancos públicos da competição com os privados,
  • implementando 67 outras medidas para a evolução do mercado de capitais,
  • eliminou os Ministérios da Indústria, do Trabalho e do Planejamento,
  • manteve o juro alto em detrimento do corte de orçamento para educação, saúde, moradia etc.,
  • não respeitou a Regra de Ouro já no início do governo (rombo de R$250B),
  • está menosprezando completamente o desemprego de 13% colocando a culpa nos trabalhadores brasileiros improdutivos e não preparados para indústria 4.0.

É tanta falta de respeito para os empresários nacionais que precisamos entrar nesta Guerra e acabar com esta farra da Oligarquia Financeira em nosso país. Isto não vai acontecer se não agirmos. Não há mais espaço para covardia e papel de avestruz. Perspectiva para os próximos 4 anos é crescimento de -0,5 a 2% com desemprego de 13-15%.

Precisamos urgentemente aumentar a demanda agregada nacional (Keynes). Juro taxa neutra para expansionismo de base monetária e pleno emprego é de 2%, não 6,5%. Taxa de câmbio de competitividade econômica internacional é de R$9. Commodities minerais e agrícolas precisam ser fortemente tributadas para evitar a doença holandesa e fortalecer a arrecadação tributária que garante investimentos em infraestrutura de transporte e social. Vamos vencer a ignorância macroeconômica e estudar estes temas em profundidade. Sem ideologias, com ciência, dados e lógica.

Analise qual seria o impacto de taxa Selic de 2% e câmbio de R$9 nos seus negócios. Quais seriam a taxa de crescimento do PIB, a geração de emprego e a poupança fiscal com estas variáveis?

Crescimento de 10% ao ano e redução de desemprego já!

Precisamos urgentemente evoluir a governança do Planejamento Macroeconômico Nacional para focar em maximização do crescimento com inclusão social: EMPREGO.

Não espere o que nosso país pode fazer por você, pergunte-se o que Você tem que fazer pelo nosso país.

A Economia e o Amor do Povo Brasileiro

A missão do Governo Brasileiro é melhorar a vida das pessoas, o que significa aumentar a renda (emprego) e fazer inclusão social. Este é o preço para conquistar o Amor dos brasileiros. Se observarmos todas as trocas de liderança em nossa Evolução elas ocorreram porque a economia não andava bem. 1889 (baixo crescimento no Império), 1930 (Grande Depressão), 1945 (fim da Guerra), 1952/54 (morte do GV), 1960 (inflação do JK) , 1964 (recessão do Jango), 1984 (hiperinflação militar), 1989 (hiperinflação e corrupção), 1992 (recessão, hiperinflação e corrupção), 2002 (baixo crescimento e desemprego), 2016 (depressão e corrupção), 2018 (baixo crescimento, desemprego e corrupção). Em toda evolução, ou “golpe” como alguns gostam de chamar, as situações econômica e social do Brasil melhoram.

Apesar de toda a corrupção do governo do Pixuleco (mensalão etc.) ele foi reeleito em 2006, fez sua sucessora em 2010 e atingiu 83% de aprovação popular. Todo este poder com base em seu impacto na economia com crescimento razoável de 4,1%, inclusão social (bolsa família, projetos de saúde, moradia e educação) e pleno emprego. E em termos de corrupção hoje vemos o Pixuleco e o Dirceu na cadeia, enquanto FHC, Alckmin, Aécio, Serra, Covas e Gilmar Mendes riem.

Somos um povo da diversidade. Miscigenação faz parte da nossa genética. Quase 50% da população é parda. Nilo Peçanha, nosso presidente que abriu as portas para o Tenentismo que liberou o Brasil das Oligarquias da Velha República, era pardo. Pelé, nosso maior símbolo internacional é negro. Pixuleco, o presidente mais popular que tivemos nas últimas 4 décadas só tinha ensino primário. Mourão, o profissional mais bem preparado do governo para liderar o país é índio. Inúmeros dos melhores líderes e intelectuais do mundo são homossexuais, negros, judeus ou seja, fazem parte de minorias. Discriminação não pode ser permitida.

No Brasil somos compostos por petistas, bolsomínions, coxinhas, corinthianos, palmeirenses, empresários, trabalhadores, sem terra, servidores públicos, católicos, evangélicos, judeus, africanos, índios, portugueses, italianos, espanhóis, asiáticos, alemães, árabes etc.

Bolsonaro foi eleito para unir nosso povo e melhorar nossas vidas. Sua eleição já trouxe Ordem para o país ao garantir a continuidade do combate contra a corrupção. Contudo o comportamento de Bozo fazendo discriminações contra petistas, a mídia, homossexuais, imigrantes, industriais, trabalhadores desqualificados, professores, estudantes esquerdistas, menosprezando o desemprego não é compatível com o cargo. Está dando bastante material para o Piauí Herald e o José Simão, mas não está trazendo Progresso.

Considerando que toda posição de esquerda é inepta (Karl Marx destruidor de riqueza populista) e de direita é ignorante (menospreza o povo trabalhador), todos os nossos excelentes presidentes foram de centro (GV, JK, Costa e Silva, Médici), atendiam os interesses de empresários e de trabalhadores.

Nosso problema atual não está relacionado às maluquices do Bozo, à Previdência, à Corrupção no Congresso ou a todas as boas reformas que podem ser implantadas na nossa evolução (tributária, educação, saúde, moradia, infraestrutura etc.). Nosso problema atual é emprego. E este assunto já é de domínio da humanidade desde que o Iluminado Keynes fez sua obra Teoria Geral do Emprego, do Juro e da Moeda (1936).

Basta o governo colocar o juro em nível de taxa neutra de 2% e o câmbio em nível de competitividade econômica internacional de R$9 que acabam os nossos problemas. Taxa neutra é a taxa que garante pleno emprego sem grande distorção na inflação (mais de 20%). É um simples ajuste de demanda agregada que permitirá empregar todos os brasileiros e trazer Progresso de volta.

A equipe econômica que já está derrubando o terceiro presidente (Biruta, Ilícito e Bozo) através da manipulação do juro no Banco Central (presidentes vindos de Itaú, Bradesco e Santander), vende a falsidade do conceito de combate à inflação através do juro, e ignora e menospreza o poder deles em definir a taxa de desemprego do país. Jogam a culpa nos empresários e nos trabalhadores improdutivos.

Precisamos deixar de ser covardes e enfrentar estes ilícitos. Merecem uma Praça da Bastilha. Temos milhares de brasileiros morrendo inutilmente todos os meses devido ao aumento da violência com o desemprego e à falta de recursos para segurança e saúde.

O Presidente precisa acabar com esta visão cega e ideológica sobre a Economia, virar este jogo e conquistar o Amor do Povo Brasileiro.

A Renúncia do Bozo

O Mito cumpriu sua missão e tirou os principais ilícitos do poder. Missão de herói nacional cumprida, merece uma medalha, obrigado. O problema agora é outro: desemprego. O Bozo não possui o menor preparo e nível de competência para executar esta nova missão. Considerando perspectiva de Meritocracia militar, precisamos troca-lo.

Historicamente o comando de nossas Forças Armadas deveriam forçar sua renúncia. Não aceitam gente despreparada para comandar o país. Caso de Deodoro da Fonseca, Artur Bernardes, Júlio Prestes, GV em dois contextos (1945 e 1952), Carlos Lacerda e outros liberais que não queriam a posse de JK, João Goulart e indiretamente Castello Branco em 1967. Infelizmente a partir de 1985 abandonaram esta postura e tivemos a Constituição de 88 (de direitos sem responsabilidades) e a fase de Democracia Imperial (1985-2018) com crescimento pífio de menos de 2,5%, pior que Brasil Império, com políticos e empresários corruptos detonando com a economia nacional. Presidentes completamente despreparados, exceto Itamar Franco que fez o Brasil crescer 5,4% ao ano e garantiu condições honestas de controle orçamentário para implantação do Plano Real.

Nossa situação social agora é dramática para quem não é avestruz: 13% de desemprego, violência ascendente, insolvência da situação fiscal dos governos federais e estaduais, cortes de verba em educação e saúde, 6 membros completamente ilícitos no STF ajustando as regras para fortalecimento de Impunidade, oligarquia financeira dominando a agenda econômica protegendo interesse dos bancos e aumentando o desemprego etc.

Neste contexto social o presidente Bozo é uma total variável aleatória: assume posições ideológicas ineptas na área econômica (liberalismo submisso), na área de discriminação de minorias (homossexuais), na área ambiental (desrespeitando efeito estufa), na área social (petistas), na área do 4o poder (mídia Folha e Globo), na área militar (ciúme do Cacique Mourão), na área astrológica e filosófica (Olavo do @), na área familiar (Bozolândia), na área do Sacerdócio (passaporte diplomático?), na área de milícias (Eduardo, Queiroz e Cia), na área de Laranjais (PSL, Flávio e Carluxo etc.), na área internacional (Simpson Trump???, boicote em NYC, Eduardo vs. Araújo). Típico inepto que tenta apagar fogo com gasolina.

30 anos no Congresso não ajudaram a formar valores e competência para comandar a nação. Aproveitou a onda do anti-petismo, como o Collor aproveitou a onda anti-marajás, para chegar ao pódio. Sua aprovação popular já está desabando, não entrega o Brasil Acima de Tudo, pois está bem abaixo de seu Ego e de seu clã, e está deixando o país em situação de falta de governabilidade, com o Pixuleco falando de livros de dentro da prisão, e o Bozo de armas nas mãos de políticos e advogados.

Nossa comunidade não tem fôlego para mais uma desilusão. Não tivemos líderes até hoje que renunciassem voluntariamente em nome da Honra e do Bem para a maioria do povo brasileiro. A Biruta, O Ilícito, Artur Bernardes, Collor resistiram até as últimas horas gerando R$trilhões de prejuízos ao país. O Ego sempre pesou mais forte. GV por outro lado foi ao extremo e se suicidou. Foi um grande presidente, diferente dos demais, mas achou que sua morte iria agregar mais para nosso destino do que sua renúncia. Estava certo, pois conseguiu que JK assumisse a presidência ao invés de algum liberal inepto como Carlos Lacerda ou cego como Eduardo Gomes.

Como o Bozo vai lidar com a questão da Meritocracia e do Bem de nossa Tribo?