Brasileiros: Mais Coragem e Menos Egoísmo!

A vida é uma experiência maravilhosa e já tivemos inúmeras pessoas iluminadas que nos demonstraram isto, entre eles Akhenaton, Moisés, Buda, Sócrates, Jesus, Da Vinci, Lincoln, Keynes e Lee Kuan Yew.

O Brasil é um país incrível, de 1930 a 1984 saímos de uma grande fazenda de café com leite para nos tornamos um país semi-industrializado. Tivemos crescimento padrão Singapura/China durante o “Milagre” Brasileiro construído e liderado por nossos heróis Costa e Silva e Médici. Desenvolvimento impulsionado pelos valores do Tenentismo de Hermes da Fonseca. Espírito compartilhado no Exército que combate oligarquias para garantir a preponderância do Interesse Nacional, ou seja, o Bem para Todos os brasileiros.

O que aconteceu conosco? Como faço parte da pior geração de brasileiros que este país já teve? Egoísmo. Interesse próprio acima do interesse coletivo. Faz parte da Natureza Humana. O interesse próprio é a característica do homo sapiens que o fez destacar-se entre as demais espécies do planeta. Capacidade de planejamento e proteção do interesse próprio para garantir a evolução. Contudo, ao ouvirmos nossa consciência, aprendemos que o interesse coletivo é mais importante que o interesse próprio para que tenhamos uma vida mais harmônica e feliz. In God We Trust, ou seja, podemos confiar no interesse coletivo (god), mas não no interesse individual (interesse próprio).

Quando o Exército abandonou o barco em 1985, o Brasil perdeu a noção de interesse coletivo. Construímos uma carta sem vergonha, totalmente focada no interesse de grupos isolados, em detrimento do interesse coletivo. Direitos, sem responsabilidades. Quando os EUA desenvolveram sua Constituição em 1776 o conceito era: só traga para a mesa sua segunda melhor opção, nunca a primeira. No Brasil cada grupo levou sua primeira, e pos na cartinha.

Resumindo os principais absurdos que vemos em nossa comunidade:

  1. Oligarquia financeira define a taxa de juro no Brasil. Já causaram R$25 trilhões de perdas ao país desde 1997. EUA está com taxa zero que deve ser mantida por mais 1-2 anos, enquanto aqui que já estava em 2%, está subindo rapidamente para 6,5%, apesar de mais de 15% de desemprego e nenhuma razão científica.
  2. Oligarquia do agronegócio impôs a Lei Kandir que os isenta de impostos na exportação de commodities agrícolas e minerais. Mais um absurdo macroeconômica e de concentração de renda, criando efeito de doença holandesa, desequilíbrio fiscal, desindustrialização, redução de empregos qualificados e detonação de nossa infra-estrutura de exportação (despesas não cobertas por receitas tributárias).
  3. Oligarquia dos servidores garante remuneração e benefícios maiores do que do setor privado sem o desempenho equivalente
  4. Oligarquia do sacerdócio é isenta de impostos, mantendo congressistas para defender seus interesses, e garantindo o funcionamento dos cultos para arrecadar fundos apesar dos fiéis morrerem se contaminando com covid.
  5. Oligarquias da saúde e da mídia escondendo as evidências científicas da ivermectina para continuarem com alta lucratividade enquanto brasileiros Morrem.
  6. Principais e maiores empresários do Brasil envolvidos em grandes operações ilícitas descobertas pela Lava Jato, enquanto Moro tinha um papel relevante.
  7. Exército completamente Covarde, deixando um genocida, inepto, ilícito e mau caráter no comando do país. Nossas Constituições sempre deram o poder de Armas para o Exército para garantir que intervenham em qualquer sinal de falta de respeito ao Interesse Nacional. Nosso espírito Tenentista manteve isto até 1984. Está na Alma desta Instituição. Foi assim que nos treinaram. Abaixamos a cabeça como Covardes. Insuportável.

Esta pandemia serviu de importante momento para reflexão. Valores do Ocidente contra Valores do Oriente. Enquanto a mídia do Oriente é controlada por um governo com consciência social, comprometido com o Bem Coletivo, evidenciado em Singapura e China pelos baixos índices de mortalidade por covid, a mídia do Ocidente, que se diz transparente, esconde os resultados científicos da ivermectina, deixando seus leitores morrerem por interesses econômicos. A Australia, sem vacina, zerou mortes de covid desde outubro 2020. A Índia (22% doses/habitante) está com índice de mortalidade inferior ao dos EUA (97% doses/habitante).

As oligarquias vão todas muito bem enquanto o barco Brasil afunda. Ficamos Covardes. Não foi com este objetivo que viemos para esta vida. Nosso livre arbítrio e consciência permitem que tomemos a direção que mais nos interessa. O Bem Coletivo. Progresso com inclusão social.

Quando vamos voltar a respeitar o conceito de Deus e impor o Bem Coletivo como fundamental para nossa contínua Evolução que começou há 14 bilhões de anos?

Ordem, Progresso e Inclusão

130 anos de República. Em 1889 Hermes da Fonseca influenciou seu tio Deodoro a proclamar a república, com base no positivismo que lhe foi ensinado por Benjamin Constant na Escola da Praia Vermelha. Ordem e Progresso. PIB do Brasil que vinha crescendo a 2,4% ao ano em um Império lento, parlamentarista e pouco meritocrático, que demorou para abolir a escravidão, entra em um novo ritmo de 4,1% de crescimento ao ano.

Hermes mais maduro virou Ministro da Guerra, melhorou o profissionalismo do Exército e virou Presidente em 1910, apoiado por Nilo Peçanha. Combate o regime oligárquico da política dos governadores e do café com leite, instala a Escola Militar do Realengo, forma uma nova geração de oficiais e cria uma iniciativa que transformaria o Brasil: Tenentismo. Taxa de crescimento pula para 5,6% ao ano até 1984. Nenhum presidente incompetente e liberal comandou o país neste período. Brasil sempre cresceu a taxas mais rápidas do que a média do mundo, até 1984.

Brasil no PIB Mundial

Em 1985 os militares abandonaram o Brasil, deixando uma hiperinflação causada pela irresponsabilidade fiscal do processo de redemocratização nas mãos do Delfim Netto. Brasil se perdeu. Nós, brasileiros com mais de 30 anos de idade, e renda mensal acima de R$5K, estimo em menos de 10% da população, somos responsáveis por esta vergonha. Somos a pior geração de brasileiros desde a Proclamação da República. Herdamos de nossos pais um país maravilhoso, que vinha evoluindo consistentemente, e conseguimos bagunçar completamente nossas instituições.

Sem a participação dos militares, construímos uma constituição de adolescentes, cheias de direitos e sem responsabilidades. Somos hoje um dos países mais corruptos do mundo, no qual conhecemos quem são estes corruptos, mas não conseguimos prende-los eficientemente ou mante-los atrás das grades. Não há Ordem e Progresso.

Jair Bolsonaro, o Bozo, cometeu um grande estelionato eleitoral vendendo a imagem de Brasil Acima de Tudo, com o apoio das Forças Armadas, e hoje está liderando um governo de direita liberal de desempenho pífio como vinha sendo a Democracia Imperial (1985-2018), sem nenhuma responsabilidade social, envolvendo família imatura, milícia, religião, fakeNews, enfraquecendo a mídia profissional (Globo e Folha) para fortalecer a mídia religiosa (Record), discriminando e desrespeitando 30% da população que é petista, desrespeitando o meio-ambiente internacional, apoiando líderes irresponsáveis (Trump), prejudicando a agenda anti-crime através de acordos com ilícitos do Congresso e do STF (p.ex. COAF, prisão em 2a Instância, Polícia Federal).

Está indo além de qualquer expectativa na criação de um partido de Idade Média com “valores” como religião, milícia e combate ao demônio (Lula/PT). É uma verdadeira Dinastia da Bozolândia, totalmente inconsistente com os valores da República. Foi um Herói ajudando a derrubar a máquina governamental ilícita, mas já cumpriu seu papel e precisamos andar para frente.

Temos 4 oligarquias prejudicando o país: Financeira, Agronegócio, Sacerdócio e Servidores. As três primeiras estão claramente envolvidas com este governo. Sem reorganizar os interesses destas 3 oligarquias ficará impossível voltarmos à evolução.

A oligarquia financeira forçou a subida do juro a partir de 2013 e detonou completamente com o governo Dilma e o PT. Para leigos procuram jogar a culpa da depressão na Nova Matriz da Dilma e nas ilicitudes do PT. Para quem tem um pouco de discernimento, ficou claro que o PIB só melhorou com o Temer quando abaixou o juro de 14,25 para 6,75%. E só melhorou um pouquinho com o Bozo quando abaixou de 6,75% para 5%. A queda do juro aumenta a demanda agregada e dá impacto direto no PIB. Contudo o nível honesto, de taxa neutra, para maximizar demanda e geração de emprego é por volta de 1%, e estamos muito longe disto. Toda a projeção do governo está em manter o crescimento no patamar de 1-3%, sem real enfrentamento com a oligarquia financeira. Este caminho vai manter alto nível de desemprego e queda na renda dos brasileiros.

A oligarquia do agronegócio impôs a Lei Kandir que isentou de tributos as exportações de commodities agrícolas e minerais. Esta iniciativa quebrou as finanças dos estados dependentes destes produtos e prejudicou a industrialização do país através da valorização cambial causada pelo efeito “doença holandesa”. Indústria que é a maior arrecadadora de tributos e que gera o maior volume de empregos de alto valor agregado.

O caminho da Evolução não é pela esquerda nem pela direita. É pelo centro (GV, JK, Costa e Silva, Médici) que através do capitalismo da direita gera recursos para fazer a inclusão social requerida pela esquerda. A direita liberal de Collor a FHC detonou com os empregos nacionais. A Esquerda de Lula/Dilma detonou com as contas públicas. Em ambos os contextos a oligarquia financeira dominou. Lucro dos bancos cresceu 26X de 1997 a 2018 enquanto Brasil cresceu a míseros 2,3%. Hoje com a Dinastia da Bozolândia-Guedes estamos aplicando o pior da Direita (menosprezo por empregos brasileiros) com o pior da esquerda (enfrentamento autoritário nas instituições de mídia e sociais).

Bozo-Guedes, com apoio da oligarquia financeira e da mídia da Seita dos Falsos Liberais Rentistas, estão jogando toda a culpa da depressão em cima do PT. Isto é uma grande mentira tendo em vista que a verdadeira causa foi a elevação do juro pela oligarquia financeira: Depressão BR. A situação socialmente insustentável atrelada a esta grande divisão do país entre bolsomínions e petistas, pode nos levar a uma Guerra Civil Burra.

Desemprego desumano, crescimento pífio, divisão social, impunidade com ilícitos soltos, péssima distribuição de renda, ampliação da miséria, contenção dos programas sociais. Todos elementos explosivos para uma alta instabilidade na República. Um país decente não vai cair do céu sem forte determinação e sem o Espírito Tenentista que vinha nos auxiliando. As Forças Armadas precisam parar de ser Covardes e devem retomar seu papel de garantir Ordem e Progresso como Inscrito em nossa Bandeira, contudo coordenar de maneira que a próxima Revolução seja Democrática e Fortemente Inclusiva.

 

Atitude de Brasileiro, Cidadão do Mundo

Nossas atitudes são a principal causa de não estarmos evoluindo. Nós, brasileiros com renda acima de R$5K/mês (estimo em menos de 10% da população), que possuem consciência clara da situação e determinam as principais decisões do país, estamos cometendo erros em nosso dia a dia que nos colocaram neste imbróglio econômico e social em que nos encontramos. Precisamos parar de colocar a culpa em questões externas (políticos, estrangeiros, juízes, governo etc.) e reconhecer que nossas atitudes são a causa. Economistas, empresários e advogados.

Certo é o que dá certo, não o que parece certo. Com esta regra básica de busca da Verdade, devemos abrir nossas mentes para achar as reais causas que precisam ser combatidas para garantir nossa Evolução.

A Lei da Evolução é uma das principais Leis Naturais com a qual convivemos. Desde o primeiro próton há 14 bilhões de anos, o universo evolui constantemente. Vida começou há 2 bilhões de anos com a primeira célula e hoje nossa alma habita esta máquina fantástica que é o Corpo Humano.

A constante busca da Verdade garante esta evolução. Verdade não é o que algumas pessoas dizem. Não há dono da verdade. Verdade é tudo que pode ser contestado e os fatos demonstram que ela faz sentido. A regra da Fé é uma das regras criadas para manipular seres humanos a viverem fora da Verdade. Adão e Eva, Terra Plana, Geocentrismo e até mesmo Deus, foram conceitos de Fé que mais serviram para manipular os seres humanos do que para Ilumina-los.

Como Brasileiros, Cidadãos do Mundo, precisamos garantir a evolução de nossa comunidade através da constante busca da Verdade em questões religiosas, sociais, ambientais e econômicas. O governo medíocre que se instalou no país está aplicando um modelo de fé, de salvador da pátria, tentando cegar os brasileiros com suas ideologias extremamente infelizes. Coragem, meritocracia e cidadania não são os valores da maioria dos membros do governo, apesar de serem das Forças Armadas que construíram esta Nação. Vivemos em uma Dinastia da Bozolândia e precisamos enfrenta-la como enfrentamos os governos anteriores.

Na frente religiosa, tivemos um 7 de setembro com um sacerdote no altar, situação típica de Idade Média. Inúmeros ilícitos religiosos no Congresso, pagos para garantir os direitos deste grupo, que sem consultar Deus, não querem pagar tributos. Objetivo da religião é fazer o Bem para a maioria, não é arrecadar o máximo de fundos para o sacerdócio como vemos claramente no caso brasileiro, incluindo a igreja católica do vaticano de ouro e a maioria das evangélicas.

Na frente social há um total menosprezo para emprego, educação e inclusão social, fatores primordiais para nossa evolução como comunidade com substância de conhecimento.

Na frente ambiental acham que têm o direito de detonar nosso meio-ambiente em nome do progresso criado por uma minoria de empresas florestais e agrícolas que geram empregos braçais em pouco volume e de baixo valor agregado. Irrelevantes para a economia nacional. Trogloditas queimando as florestas.

Na frente econômica a cegueira é a mais maléfica porque com a falta de recursos o dano nas outras frentes é ainda maior. Economia foi criada para gerar progresso constantemente, sem desculpas. Smith e Keynes foram os dois principais nomes que demonstraram este caminho. Singapura, China, Coréia do Sul e EUA são exemplos da viabilidade deste modelo. Uma nação só não gera progresso constantemente se houver algum grupo manipulando a situação. É exatamente este o caso do Brasil:

  • Taxa de juro nível neutro deveria ser de 1-2%, não 6%. Seguindo melhores práticas internacionais nas quais o juro é definido para garantir pleno emprego através de política expansionista de base monetária (Friedman). Mercado internacional atualmente cobra 1% de juro real do Brasil para títulos de curto prazo. Nosso governo deveria pagar menos do que isto no mercado interno onde controla esta taxa, não mais.
  • Lucro dos bancos multiplicou-se 26X de 1997 a 2018, 10% de crescimento real por ano enquanto o país cresceu menos de 2,4%.
  • Membros do Copom, que definem a taxa de juro, são do mercado financeiro. Atual presidente é do Santander.
  • Taxa de câmbio de nível de competitividade econômica internacional para o Brasil é de R$9. Efeito de doença holandesa de nossas commodities agrícolas e minerais sobrevaloriza esta taxa, causando desindustrialização e perda de arrecadação tributária.
  • Oligarquia do agronegócio que domina o Congresso mantém a Lei Kandir, que isenta exportações de commodities agrícolas e minerais de pagarem impostos sobre o faturamento (ICMS, IPI, PIS-COFINS)
  • Menosprezando situação de desemprego e falência fiscal do país, equipe econômica atual foca exclusivamente em temas de interesse do setor financeiro:
    • Reforma da previdência privilegiando negócio para a previdência privada
    • Privatização gerando negócios para os bancos de investimento
    • Retirada das instituições financeiras públicas do mercado de crédito (BNDES, CEF, BB); deixando este mercado exclusivamente para o setor privado (como empresário estou pagando juro de 21% ao ano para financiar equipamentos industriais, concorrência internacional paga 2-3%)
    • Independência do BC para garantir a perpetuidade destas políticas macro-econômicas irresponsáveis; já tinham colocado a missão de minimizar inflação ao invés de maximizar emprego (missão do FED nos EUA)
  • Desempenho pífio:
    • em crescimento (menos de 1% em 2019, 2% em 2020),
    • em desemprego (12% podendo piorar),
    • em responsabilidade fiscal (quebraram regra de ouro em R$240B em 2019 e vão quebrar de novo em 2020) e ainda querem aumentar a carga tributária com novos tributos (CPMF)

Apesar de todas estas evidências, não há uma discussão honesta sobre estes temas. Há cegueira de opinião, perspectivas ideológicas de falso liberalismo, condenação do PT, discriminação na sociedade, desrespeito ao meio-ambiente e comportamentos desonestos evidentes na presidência: questão Queiroz, prole em cargos do governo, desvios dos esforços Lava Toga, envolvimento do sacerdócio desonesto em política, influência na Polícia Federal, nos órgãos de controle (COAF), alinhamento com ilícitos do Congresso e do STF.

Em resumo o país está uma baderna e nós continuamos sendo os culpados. Economistas, empresários e advogados precisam se unir para trabalharmos em prol da Verdade em Atitude de Brasileiro da Era do Moro, não de Covarde da Era da Lei de Gerson.

Empresários no Brasil, Vamos à Guerra!

Nós somos os únicos responsáveis pela lama em que o país se encontra. Covardia e ignorância macroeconômica permitiu que esta situação se instalasse. Contudo não somos covardes e temos condições de aprender o que é necessário para vencer nossos obstáculos diários.

Há 3 agentes econômicos relevantes para o país: empresários, políticos e militares. Os empresários (4 milhões de brasileiros) geram riqueza, empregam a população e pagam os tributos. Os políticos definem a demanda agregada (juro e câmbio) e alocam os recursos para garantir inclusão social (democracia). Os militares vigiam empresários e políticos para evitar formação de oligarquias que não beneficiam o país, garantem a cidadania. Nem políticos, nem militares têm competência para entender como funciona a Economia. Os empresários têm obrigação.

A Ciência Econômica teve dois Iluminados relevantes: Smith e Keynes. Smith definiu a Economia (capitalismo) e Keynes a Macroeconomia (demanda agregada e emprego). O objetivo é maximizar geração de riqueza (PIB) com inclusão social. Singapura e China são as duas grandes evidências dos últimos 50 anos de como é possível crescer consistentemente a taxas altas fazendo inclusão social. A única desculpa para não atingir estes resultados é inépcia macroeconômica e má fé de quem define estas políticas.

De 1997 a 2018 o lucro dos três maiores bancos brasileiros multiplicou-se por 26X, de R$2,1B para R$55B (Brasil Macro 1996-2018), 17% de taxa de crescimento anual nominal e 10% real, enquanto o Brasil cresceu 2,3%, desempenho nacional pior do que no Brasil Império. Este período foi definido por missão de banco central de minimizar inflação (ao invés de maximizar emprego como o FED) e tripé macroeconômico inepto e ilícito (meta de inflação, câmbio flutuante e superávit primário). Todos instrumentos para institucionalmente garantir a lucratividade das instituições financeiras.

Esta agenda está sendo toda garantida por agentes dos bancos (Itaú, Bradesco e agora Santander) dentro das instituições financeiras públicas nacionais (BACEN, Copom). Governança pífia na definição da taxa de juro e de políticas públicas que deveriam priorizar a geração de emprego nacional. (A Seita: Um Sistema Financeiro Contra o Brasil).

O prejuízo acumulado para o Brasil está em R$25 trilhões de perda de PIB de 1994 a 2018 (Estimativa de Perda de PIB). A atuação deste grupo ficou mais evidente a partir do segundo semestre de 2013 quando forçaram a retomada do aumento do juro após as manifestações de junho que derrubaram a popularidade da Dilma de 63% para 31%. Em 2013 a economia estava normal, em seu típico ano de vôo de galinha, com 3% de crescimento, déficit nominal de 3% e dívida em 51% do PIB. Ao elevarem o juro para 14,25% caiu arrecadação fiscal, aumentou as despesas financeiras e o déficit nominal afundou para 10% e o PIB para -4%. Desemprego saiu de 4,8% em 2014 para 12,7% em 2017 (Brasil Macro 1996-2018). Tentam jogar a culpa da depressão na Nova Matriz da Dilma, dizendo que a redução do juro em 2012/2013 causou a depressão em 2015/2016. Muita má fé macroeconômica.

O Guedes está implementando um plano de negócios para o setor financeiro, para garantir a continuidade desta alta lucratividade:

  • diminuindo a previdência pública para aumentar as oportunidades para a previdência privada,
  • tirando os bancos públicos da competição com os privados,
  • implementando 67 outras medidas para a evolução do mercado de capitais,
  • eliminou os Ministérios da Indústria, do Trabalho e do Planejamento,
  • manteve o juro alto em detrimento do corte de orçamento para educação, saúde, moradia etc.,
  • não respeitou a Regra de Ouro já no início do governo (rombo de R$250B),
  • está menosprezando completamente o desemprego de 13% colocando a culpa nos trabalhadores brasileiros improdutivos e não preparados para indústria 4.0.

É tanta falta de respeito para os empresários nacionais que precisamos entrar nesta Guerra e acabar com esta farra da Oligarquia Financeira em nosso país. Isto não vai acontecer se não agirmos. Não há mais espaço para covardia e papel de avestruz. Perspectiva para os próximos 4 anos é crescimento de -0,5 a 2% com desemprego de 13-15%.

Precisamos urgentemente aumentar a demanda agregada nacional (Keynes). Juro taxa neutra para expansionismo de base monetária e pleno emprego é de 2%, não 6,5%. Taxa de câmbio de competitividade econômica internacional é de R$9. Commodities minerais e agrícolas precisam ser fortemente tributadas para evitar a doença holandesa e fortalecer a arrecadação tributária que garante investimentos em infraestrutura de transporte e social. Vamos vencer a ignorância macroeconômica e estudar estes temas em profundidade. Sem ideologias, com ciência, dados e lógica.

Analise qual seria o impacto de taxa Selic de 2% e câmbio de R$9 nos seus negócios. Quais seriam a taxa de crescimento do PIB, a geração de emprego e a poupança fiscal com estas variáveis?

Crescimento de 10% ao ano e redução de desemprego já!

Precisamos urgentemente evoluir a governança do Planejamento Macroeconômico Nacional para focar em maximização do crescimento com inclusão social: EMPREGO.

Não espere o que nosso país pode fazer por você, pergunte-se o que Você tem que fazer pelo nosso país.

A Economia e o Amor do Povo Brasileiro

A missão do Governo Brasileiro é melhorar a vida das pessoas, o que significa aumentar a renda (emprego) e fazer inclusão social. Este é o preço para conquistar o Amor dos brasileiros. Se observarmos todas as trocas de liderança em nossa Evolução elas ocorreram porque a economia não andava bem. 1889 (baixo crescimento no Império), 1930 (Grande Depressão), 1945 (fim da Guerra), 1952/54 (morte do GV), 1960 (inflação do JK) , 1964 (recessão do Jango), 1984 (hiperinflação militar), 1989 (hiperinflação e corrupção), 1992 (recessão, hiperinflação e corrupção), 2002 (baixo crescimento e desemprego), 2016 (depressão e corrupção), 2018 (baixo crescimento, desemprego e corrupção). Em toda evolução, ou “golpe” como alguns gostam de chamar, as situações econômica e social do Brasil melhoram.

Apesar de toda a corrupção do governo do Pixuleco (mensalão etc.) ele foi reeleito em 2006, fez sua sucessora em 2010 e atingiu 83% de aprovação popular. Todo este poder com base em seu impacto na economia com crescimento razoável de 4,1%, inclusão social (bolsa família, projetos de saúde, moradia e educação) e pleno emprego. E em termos de corrupção hoje vemos o Pixuleco e o Dirceu na cadeia, enquanto FHC, Alckmin, Aécio, Serra, Covas e Gilmar Mendes riem.

Somos um povo da diversidade. Miscigenação faz parte da nossa genética. Quase 50% da população é parda. Nilo Peçanha, nosso presidente que abriu as portas para o Tenentismo que liberou o Brasil das Oligarquias da Velha República, era pardo. Pelé, nosso maior símbolo internacional é negro. Pixuleco, o presidente mais popular que tivemos nas últimas 4 décadas só tinha ensino primário. Mourão, o profissional mais bem preparado do governo para liderar o país é índio. Inúmeros dos melhores líderes e intelectuais do mundo são homossexuais, negros, judeus ou seja, fazem parte de minorias. Discriminação não pode ser permitida.

No Brasil somos compostos por petistas, bolsomínions, coxinhas, corinthianos, palmeirenses, empresários, trabalhadores, sem terra, servidores públicos, católicos, evangélicos, judeus, africanos, índios, portugueses, italianos, espanhóis, asiáticos, alemães, árabes etc.

Bolsonaro foi eleito para unir nosso povo e melhorar nossas vidas. Sua eleição já trouxe Ordem para o país ao garantir a continuidade do combate contra a corrupção. Contudo o comportamento de Bozo fazendo discriminações contra petistas, a mídia, homossexuais, imigrantes, industriais, trabalhadores desqualificados, professores, estudantes esquerdistas, menosprezando o desemprego não é compatível com o cargo. Está dando bastante material para o Piauí Herald e o José Simão, mas não está trazendo Progresso.

Considerando que toda posição de esquerda é inepta (Karl Marx destruidor de riqueza populista) e de direita é ignorante (menospreza o povo trabalhador), todos os nossos excelentes presidentes foram de centro (GV, JK, Costa e Silva, Médici), atendiam os interesses de empresários e de trabalhadores.

Nosso problema atual não está relacionado às maluquices do Bozo, à Previdência, à Corrupção no Congresso ou a todas as boas reformas que podem ser implantadas na nossa evolução (tributária, educação, saúde, moradia, infraestrutura etc.). Nosso problema atual é emprego. E este assunto já é de domínio da humanidade desde que o Iluminado Keynes fez sua obra Teoria Geral do Emprego, do Juro e da Moeda (1936).

Basta o governo colocar o juro em nível de taxa neutra de 2% e o câmbio em nível de competitividade econômica internacional de R$9 que acabam os nossos problemas. Taxa neutra é a taxa que garante pleno emprego sem grande distorção na inflação (mais de 20%). É um simples ajuste de demanda agregada que permitirá empregar todos os brasileiros e trazer Progresso de volta.

A equipe econômica que já está derrubando o terceiro presidente (Biruta, Ilícito e Bozo) através da manipulação do juro no Banco Central (presidentes vindos de Itaú, Bradesco e Santander), vende a falsidade do conceito de combate à inflação através do juro, e ignora e menospreza o poder deles em definir a taxa de desemprego do país. Jogam a culpa nos empresários e nos trabalhadores improdutivos.

Precisamos deixar de ser covardes e enfrentar estes ilícitos. Merecem uma Praça da Bastilha. Temos milhares de brasileiros morrendo inutilmente todos os meses devido ao aumento da violência com o desemprego e à falta de recursos para segurança e saúde.

O Presidente precisa acabar com esta visão cega e ideológica sobre a Economia, virar este jogo e conquistar o Amor do Povo Brasileiro.

O que você pode fazer pelo Brasil V – EMPREGO

Voltamos a ter um governo de respeito que procura honestamente colocar os brasileiros mais competentes em cada uma das posições de comando. Cenário pouquíssimo provável há 6 meses. Missão Impossível que nosso Herói Bolsonaro conseguiu executar. Com orçamento extremamente restrito, venceu todos os ilícitos contra os quais estava concorrendo, ganhando a grande maioria dos votos da Inteligência Brasileira (ensino fundamental completo) tendo toda a grande FakeMídia contra ele. Um Fenômeno que todos temos que agradecer.

Engajou de volta no comando do Brasil as Forças Armadas, trouxe Moro (Brasileiro mais respeitado no Mundo) para consertar a Justiça, e procurou montar o melhor ministério possível. Não é perfeito, mas é uma excelente evolução quando comparado a tudo que tivemos desde que os militares entregaram o comando. Coragem, meritocracia e cidadania são de novo valores com os quais podemos contar pelos próximos anos.

Apesar de toda esta mudança institucional que está sendo feita, nosso principal problema está na verdade na situação macroeconômica: DESEMPREGO. 12% procurando emprego, mais de 43% dos trabalhadores na informalidade, desalento e altos índices de violência.

Mais de 70% da população está otimista com o novo governo e acha que a situação econômica vai melhorar. O ambiente econômico é extremamente importante para a felicidade e o nível de satisfação dos seres humanos. Vivemos para evoluir, progredir, queremos sempre usar o máximo de nossas potencialidades.

Neste contexto a humanidade teve a sorte de gerar o Iluminado John Maynard Keynes, que em 1936 escreveu Teoria Geral do Emprego, do Juro e da Moeda. Guia do grande sucesso em crescimento de riqueza dos últimos 100 anos. Os asiáticos estão entre seus principais seguidores, mas americanos, alemães, suecos foram em muito influenciados por Keynes. Nos EUA o FED colocou em sua missão principal a maximização de emprego.

E é aqui que temos que focar nossas atenções diariamente. Aproveitar esta nova oportunidade que estamos tendo de ter uma equipe séria no comando, e tentar influenciar de todas as formas o foco em geração de emprego.

As melhores práticas internacionais demonstram que é possível crescer 10% ao ano através de gestão competente da demanda agregada. China é o melhor exemplo dos últimos 40 anos, mas vários países já atingiram este patamar (Singapura, Coréia do Sul, Taiwan etc.), sendo o Brasil um deles (1955-60 com JK, 1967-74 com Costa e Silva e Médici).

A demanda agregada é definida matematicamente através da taxa de câmbio, do juro e da poupança fiscal do governo (através dos investimentos). Variáveis em total controle da equipe econômica. Nossos cálculos indicam que uma taxa de câmbio de competitividade econômica internacional de R$9 e juro moderado de 2% (Selic) elevariam bastante a demanda agregada brasileira para nos colocar nesta trajetória de crescimento. Devemos também cobrar impostos nas exportações de commodities agrícolas e minerais (ICMS de 20-30%). Estas medidas em conjunto resolverão todos nossos problemas fiscais no curto prazo.

Apesar de serem medidas simples, baseadas em cálculos e teoria macroeconômica moderna, e amplamente seguida no restante do mundo, no Brasil não há debate sobre estes assuntos. Já participei de concursos na FGV-SP (EESP), no Insper, na Folha e no Valor, e os textos que tocam nestes assuntos não são nem selecionados. Claramente não se busca a Verdade no ambiente macroeconômico brasileiro, seja nas instituições de ensino, seja na mídia. Há uma poderosa Seita dos Falsos Liberais Rentistas que abafa discussões que questionam o juro da Selic. Se o Brasil fosse levantar uma dívida de USD400B de curto prazo no mercado internacional teria que pagar um juro real de 1%. No mercado interno o BC paga voluntariamente pelo menos 4-8% desde 1994. Por que não trocamos nossa dívida interna com juro de 6,5% por esta internacional logo após uma maxidesvalorização?

Devemos cobrar da equipe atual que nos apresente a taxa de crescimento, o nível de desemprego e o índice GINI dos anos do governo (2019 a 2022). Observando todas as medidas econômicas sendo anunciadas de Previdência, privatizações, abertura comercial e tripé cambial/fiscal fica óbvio que estaremos no trajeto de voo de galinha dos últimos 25-40 anos. E assim o desemprego e a desigualdade social vão continuar.

Os militares estão acostumados a taxas superiores a 5,6% ao ano. Já perguntaram para a equipe atual quanto vão entregar com o liberalismo econômico socialmente irresponsável como Keynes descobriu em 1920-36?

Vamos aproveitar este novo governo que está em busca da Verdade para termos uma discussão macroeconômica mais profunda e sem preconceitos? Eu aposto metade do meu patrimônio e minha vida econômica neste diagnóstico. A equipe do governo controlando estas variáveis faria o mesmo? São pessoas honestas e comprometidas do setor privado que são realmente sócios deste país junto com todos os brasileiros? Ou estão ali para defender os interesses da Oligarquia Financeira que nos prejudica desde 1994?

O SuperInepto Guedes, a Verdade e a Guerra Civil

Nosso desafio primordial neste momento é econômico, fazer o Brasil crescer gerando bastante emprego. E o SuperInepto Guedes só anunciou medidas que vão na direção oposta, esconde a Verdade macroeconômica e defende os interesses de sua classe da Seita dos Falsos Liberais Rentistas. Câncer que detonou os governos Dilma e Temer. E vem nos dando taxas de crescimento de 2,5% ao ano desde o Plano Real em 1994 (perdas de R$22 trilhões em PIB), ritmo de crescimento do Brasil Imperial, que não vai absorver nossa mão-de-obra com trabalho de qualidade. É uma maçã podre em um governo que começa muito bem com a volta dos valores militares de coragem, meritocracia e cidadania para nossa sociedade. Não está sendo respeitada meritocracia na área econômica.

Vamos analisar a Verdade macroeconômica. O Brasil tem um problema de demanda agregada que não está absorvendo nossa mão-de-obra em volume e qualidade. Desemprego em 12% com alta informalidade e desalento. E temos mais de 1 milhão de novos brasileiros ingressando no mercado de trabalho todos os anos. Crescimentos abaixo de 2-3% não geram emprego novo, pois são bem absorvidos com aumento de produtividade. Precisamos de um forte aumento da demanda agregada para ritmos superiores aos 5,6% da média dos períodos com acompanhamento militar (1930-1984).

Este problema de demanda agregada é causado por moeda sobre-valorizada por doença holandesa de nossas commodities agrícolas e minerais diminuindo exportações industriais e aumentando importações, e pelo déficit fiscal causado por juros abusivos (Selic) que diminuem arrecadação e elevam as despesas financeiras. Em resumo a política de câmbio e juro define a demanda agregada e o emprego dos brasileiros.

Os empregos de qualidade estão sumindo. Indústria de Transformação que ocupava 21% do PIB, está em menos de 11%. Salário médio é de R$2,2K/mês, nível de empregada doméstica de SP. (Informalidade). Melhorar emprego significa criar mais empregos na indústria. Industrialização. Nossos industriais são improdutivos como todos nós somos improdutivos em uma comparação internacional. Contudo os empregos industriais são de produtividade muito mais alta do que dos setores de onde a indústria atrai a mão-de-obra (agricultura, comércio informal e construção). É isto que interessa, melhoria na riqueza média do Brasil. Inclusão social.

As melhores práticas no assunto estão na Ásia (Singapura, China, Coréia do Sul, Malásia etc.), países que não são liberais e têm tido as melhores taxas de crescimento nos últimos 50 anos. São responsáveis. Fazem bom planejamento da economia e usam muito bem o capitalismo, incluindo toda a comunidade. Enquanto Israel chegou a USD38K/cap com país liberal que maltrata palestinos e briga com toda a redondeza por questões religiosas, Singapura está em USD85/cap e se relaciona bem com todos os vizinhos. Ambos começaram progresso na década de 60. Um é Iluminado e o outro belicoso liberal.

O SuperInepto quer manter a mesma política macroeconômica atual (tripé e BC independente) e investir na reforma da previdência que só possui impacto no longo prazo. Nenhuma medida de curto prazo para gerar emprego imediato. Fala em abrir mais o mercado e diminuir impostos para a indústria. Abrir o mercado reduz a demanda agregada com a entrada de importações e diminuir impostos aumenta o déficit fiscal. Vai piorar ainda mais a situação e levar o país para possível situação de Guerra Civil, visto que 45% desaprovam o Bolsonaro e parte dos 55% podem ficar desiludidos se a vida não melhorar nos próximos meses depois de tantas promessas de campanha. Situação similar a do Macri na Argentina, causada também pelo liberalismo inepto.

Dar independência para um BC que controla todas as variáveis macroeconômicas relevantes para a definição da demanda agregada (juro e câmbio) e, mesmo assim, teve um desempenho pífio nos últimos 40 anos, é assinar um cheque em branco para ilícitos. Direitos sem responsabilidades, totalmente fora de qualquer bom senso na meritocracia militar.

É muito importante que nossos militares acompanhem bem o SuperInepto, usem a inteligência e o bom senso que possuem, avaliem com base em dados concretos de taxa de crescimento e redução de desemprego, e descartem a maçã o quanto antes. Se observarem a Verdade e não ficarem cegos com as promessas e manipulações matemáticas falsas, poderão conseguir evitar um mal maior.

Na última fase militar no governo brasileiro havia uma maçã podre, o brilhante mas desonesto deseconomista Delfim Netto. Ajudou Costa e Silva e Médici a fazer o Brasil crescer acima de 9% ao ano na fase 1968-74, Milagre Brasileiro, contudo gerou contexto de irresponsabilidade fiscal no orçamento do governo que prejudicou a imagem dos militares com o início da hiperinflação. Este fenômeno é ligado à impressão de papel moeda para cobrir déficit fiscais de interesses políticos escusos no orçamento público. Imagino que por ligação do Delfim com as empreiteiras. Vamos evitar que isto se repita porque as Forças Armadas precisam definitivamente ficar bem sincronizadas para nossa sociedade funcionar com Ordem e Progresso.

O Posto Ipiranga do Bolsonaro é realmente um posto ipiranga. O mesmo posto ipiranga que anunciou há uma década que a gasolina deles era sustentável porque plantavam árvores suficientes para compensar o efeito estufa gerado pelo consumo de gasolina dos veículos que abasteciam em seus postos. Não sabem fazer conta, por ordem de grandeza. Ineptos.

Reflexão Nacional: Quando vamos deixar de ser Covardes?

A situação do Brasil demonstra como a covardia permeia nossa sociedade:

  • Uma das piores concentrações de renda do mundo. Miséria crescente com favelas nas principais grandes metrópoles (São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Recife etc). Desemprego e baixa ocupação de mão-de-obra afetando 28 milhões de trabalhadores e suas famílias atingindo provavelmente 80 milhões de brasileiros.
  • Violência crescente com Exército enfrentando as consequências do problema social (crime), ao invés das causas que levam os brasileiros aos crimes (desemprego, ilicitude na política de juro)
  • Se tivéssemos eleições hoje, com os candidatos menos ruins que temos, teríamos de 37 a 47% de votos brancos e nulos no segundo turno, demonstrando que o vencedor não teria o apoio da maioria dos brasileiros. Isto não é democracia.
  • Copom e BC mantém juro em 6,5% apesar do desemprego, da recessão na economia e do déficit nominal. Ninguém se move: deseconomistas, empresários, mídia…

Neste contexto procuramos jogar toda a culpa nos políticos que já demonstraram ser totalmente covardes e sem honra não assumindo seus erros. A Lava Jato já demonstrou que 80% dos líderes políticos e burocratas em posição de poder são ilícitos. Político e burocrata honesto são excessões. Os principais partidos são organizações falidas em valores e financeiramente pela perspectiva do boleto da Lava Jato.

Contudo é importante reconhecer que a Covardia permeia o brasileiro em todas as instituições relevantes:

  • Forças Armadas, com o poder de fogo que tem, mantém o país em Desordem e Regresso, na contramão de nossos valores republicanos e da boa história que tivemos até 1983. Vale a pena realçar o apoio a Getúlio Vargas e a proteção dos valores de 1964 a 1984.
  • Os deseconomistas da PUC, FGV, Insper, Unicamp e FEA, apesar de em algum momento de suas vidas terem estudado Smith, Keynes e Friedman, deixam a política econômica destruir o país sem nenhuma manifestação inteligente desafiando as instituições ilícitas do setor financeiro e do governo.
  • A mídia representada pela Folha, Globo, Valor e Estado, com capacidade de informação social, de movimentação dos líderes da sociedade com o 4o Poder, muito pouco fazem na área econômica. Só se interessam pelas notícias das ilicitudes que geram circulação e receitas, protegem seus anunciantes financeiros e menosprezam a profundidade necessária para desafiar as autoridades e líderes financeiros que dizimam o país.
  • Os empresários do setor privado, liderados em instituições como a FIESP por políticos envolvidos em vários atos ilícitos, que presenciaram a destruição de nossa indústria nos últimos 30 anos, e vivem das ilicitudes do Sistema S, nada fazem para mudar o status quo.

Barbosão no Supremo do mensalão e Moro na primeira instância com a Lava Jato demonstraram que uma de nossas instituições historicamente mais ilícitas (a Justiça), possui muita gente boa, já maioria no STF, na Polícia Federal e no MPF, e estão enfrentando nossos problemas colocando suas vidas em risco.

Quando nossos líderes genuínos, posicionados nestas instituições relevantes para a Evolução do Brasil, vão sair do armário e entrar nesta guerra que a Justiça já está enfrentando?

A covardia que nos fez perder por 7×1 para a Alemanha com a falta do Neymar e do capitão da seleção, está hoje dizimada com o trabalho que o Tite implantou na seleção.

Se cada um de nós nos concentrarmos em nosso Eu Interior, e ouvirmos o que é certo fazer pelo nosso país, pela nossa comunidade, podemos com certeza mudar este jogo. Vamos entrar em campo? Não adianta rezar porque a solução não vai cair do céu. There is no fate, but what we make.

Forças Armadas precisam impor a Democracia

Vamos parar de tapar o sol com a peneira. A situação está uma vergonha por qualquer ângulo que se olhe e a Ordem precisa ser imposta. Não podemos continuar esperando que do caos a Ordem apareça. Esta é uma obrigação das Forças Armadas, que têm demonstrado bastante covardia no último ano, culminando com o exemplo do comandante da Aeronáutica na semana passada criticando o Vilas-Boas publicamente. É covarde aquele que tem o poder para agir e não o faz. As ações necessárias são muito claras:

  • Destituir os 5 ministros do STF que votaram pelo HC do pixuleco e conduzir 5 novos ministros através de processo meritocrático como, por exemplo, no caso da PGR que faz lista eleita internamente (vetar qualquer atitude q fortaleça impunidade)
  • Destituir do poder todos os políticos no executivo e no legislativo que tenham menções significativas de ilicitudes, assim como juízes no poder judiciário
  • Destituir do Copom e do Bacen todos os profissionais com vínculos indiretos com o setor financeiro
  • Garantir eleições democráticas com forte controle no processo de comunicação de todos os candidatos para proteger a divulgação de informação honesta para a população decidir
  • Ajustar a Constituição em vários princípios para aumentar a responsabilidade dos cidadãos e cortar direitos que não são consistentes com o Bem para a maioria (p.ex. déficit fiscal). Impor objetivo claro de maximização de renda com inclusão social (educação, saúde, moradia e transporte).
  • Ajustar a remuneração de todos os profissionais do setor público para terem remuneração compatível com o setor privado, para cima ou para baixo, ajustado pelo fator de risco, liquidez e responsabilidade. Garantir que o político possa ficar rico honestamente, da mesma forma que um empresário.

As Forças Armadas são a única instituição nacional com valores patrióticos, ou seja, que põe a comunidade acima de si mesmo. Não é perfeita, mas é o melhor que temos, historicamente e estruturalmente.

Democracia (fazer o Bem para a maioria) não é um processo natural que os seres humanos no poder aceitam. Historicamente sempre o interesse próprio distorceu este processo. E é através de grandes conflitos contra ditadores, reis ou comunistas que se chega a ela: EUA, França, Inglaterra, Japão, Alemanha, China.

Não temos políticos e empresários comprometidos com a Democracia. Todos demonstram pura proteção dos interesses próprios. Chega. As Forças Armadas deixaram que esta baderna se instalasse no processo de “democratização”, já passou da hora de voltar para consertar os princípios que devem reger nossa sociedade: Ordem e Progresso. Os Inimigos internos estão muito mais danosos do que os externos: Estão todos no Poder.

A Pena Capital e o Crescimento Econômico

Muitas pessoas consideram a pena capital como um ato violento. Ruim para a comunidade. Precisamos entender melhor o conceito antes de julga-lo. Alguns países Iluminados, de sucesso econômico e razoável distribuição de renda, possuem a pena capital. Entre eles destacam-se Cingapura, EUA e China.

A pena capital para certas situações como estupro, pedofilia, tráfico, assassinatos e corrupção sem demonstração de arrependimento e minimização de prejuízos para a sociedade pode sim melhorar a comunidade.

Como seres humanos temos o tal do interesse próprio, que é positivo para a nossa evolução (p.ex. agente no capitalismo), contudo é perigoso se deixado atuar livremente, sem controle pela comunidade. Democracia é uma das ferramentas sociais para controlarmos nosso interesse próprio. Com incentivos errados nos achamos deuses e queremos ter direitos maiores que nossos concidadãos sem as devidas responsabilidades. Este é o problema com os reis, imperadores, ditadores etc. Democracia apareceu para acabar com este problema de abuso. O líder deve estar nesta posição porque trabalha para o Bem comum.

Direitos e responsabilidades. O direito à vida no universo vem com a responsabilidade de cada ser vivo melhora-lo, contribuir para aumentar a energia positiva da vida. Lei da evolução. Se alguém decide com seu livre arbítrio prejudicar este acordo da vida, melhor que seja eliminado. Energia negativa para a comunidade deve ser suprimida.

Na situação atual do Brasil seria hipocrisia dizer que no lugar destes políticos e empresários não estaríamos nos comportando exatamente como eles. O sistema de incentivos atual os conduziu a este comportamento. E o interesse próprio deles capturou a oportunidade. Como fazer para que os próximos não tenham o mesmo comportamento? Como outros países fizeram para lidar com esta situação?

Alguns países religiosos extremistas possuem a pena capital para controlar e manipular quem está embaixo. Outros possuem para controlar também quem está em cima. A inexistência de pena capital protege comportamentos ruins visto que pessoas covardes são as que mais os praticam, sendo assim o risco de morte contém fortemente estas atividades prejudiciais à vida.

Qual teria sido o comportamento destes brasileiros que se corromperam se houvesse a pena capital? Continuariam mentindo após serem pegos? Iriam procurar ajudar nas investigações e minimizar o dano causado para a sociedade?

As ilicitudes das equipes econômicas que nos colocaram nesta depressão, que causaram e estão causando a morte desnecessária de dezenas de milhares de brasileiros por ano através das externalidades de aumento de violência e falta de recursos para saúde e segurança pública. Assassinatos brancos. Que tipo de punição merecem?