O que você pode fazer pelo Brasil

E não o que o Brasil pode fazer por você. JFK. A situação atual é caótica. Política e economicamente. Estamos evoluindo institucionalmente, com certeza, contudo a dor e o desespero estão crescendo e teremos 9 meses difíceis pela frente até uma impugnação de chapa pelo TSE. Um ponto interessante em tudo isto é que nós somos os culpados e a solução só depende da gente. Não vai vir solução dos EUA e nem da China. A solução está nas nossas mãos. Nós criamos o imbróglio. Nós precisamos voltar aos trilhos.

Na política sabemos que temos um sistema corrupto. 3 tipos de indivíduos: corrupto-competente, corrupto-incompetente e honesto-incompetente. O honesto-competente não é atraído para este ambiente, tem opções melhores. Esta é a realidade. Se não corrigirmos os incentivos deste sistema, pagando bem para eles ajudarem a fazer o Brasil crescer, com superávit nominal, investindo em infra-estrutura social, precisamos conviver com o pixuleco e os corruptos-competentes. A única solução atual, que fica de pé neste ambiente, é gastando tudo que for possível e mordendo um pedaço para fechar a conta de campanha e ficar rico. Temos que mudar para deixá-los ricos se conseguirem superávit fiscal. Como o lucro funciona para os empresários. O desafio aqui é enorme e demorado. Mudança estrutural.

Na economia estamos em vôo cego com pilotos suicidas.  O BC usa os juros para segurar a inflação. Cego. Ao fazer isto diminui a atividade econômica, aumenta o custo dos empresários, reduz arrecadação tributária, aumenta despesas do governo e detona o déficit nominal. Buraco negro de PIB. Enfia os brasileiros na maior depressão que se pode imaginar. Conscientemente. O medo da inflação gerou este câncer no cérebro de gente burra que está deixando a população em situação de calamidade pública. Nosso BC faz papel de estado islâmico matando gente com juros usando terno e sem armamento. As conseqüências econômicas e sociais para os 25% mais pobres são sempre muito piores. Fome, violência, desilusões, desespero, falta de alternativa.

Ha-Joon Chang, economista da Coréia do Sul, país que cresceu a taxas de 7% ao ano por décadas, demonstrou que conviveram com inflação de 19% ao ano de 1960 a 1980, e que não há qualquer correlação entre inflação abaixo de 40% ao ano e crescimento econômico. No Brasil, economistas de bancos, incluindo Goldman, ficam recomendando nosso governo a aumentar os juros para conter a inflação, e facilitar seus lucros, visto que os outros produtos já estão comprometidos com a recessão. Falta cidadania, responsabilidade e coragem.

O que podemos fazer como brasileiros? No 7 a 1 para a Alemanha fomos ao banheiro, saímos da sala. Agora no 10 a 0 para a China, ou melhor, 7 a -3, precisamos entrar em campo. O Moro entrou com tudo. Boa parte do judiciário está vindo junto. Já temos bons árbitros. O trabalha agora está nas mãos de empresários, burocratas e economistas.

O Brasil só cresce através de lucro de empresários. Não tem outro caminho. E para não diminuir o crescimento o governo deve ter superávit nominal. Os empresários precisam de câmbio a R$8,30. O governo e os empresários precisam de juros a 5%, juros reais negativos. Inflação vai para 20-30%. OK. Faturamento, emprego, salário, lucro e arrecadação tributária vão subir muito mais.

Nas próximas semanas precisamos avançar nesta agenda econômica e continuar os esforços políticos para mudar a liderança, ou melhor, voltar a ter alguma liderança e representatividade.

Em que ações de seu dia-a-dia você pode ajudar o Brasil? Temos estes dois gargalos: economia e política.

Publicado por

Eduardo Giuliani

Empresário nos setores de bioenergia, agronegócio, venture capital, e imobiliário. Trabalhou como consultor pela McKinsey & Co. e investidor pela Advent International. Iniciou estudos sobre crescimento econômico em 1994 com o Curso National Economic Strategies de Bruce R. Scott na Harvard Business School (Membro do U. S. Competitiveness Policy Council). Cursou System Dynamics no MIT. Liderou trabalho de produtividade em Telecomunicações e Construção no McKinsey Global Institute. Engenheiro de Produção pela Escola Politécnica da USP. MBA pela Harvard Business School. Tenente da Reserva do Exército. Casado. Três filhos. Tri-atleta.

2 comentários em “O que você pode fazer pelo Brasil”

  1. Eduardo, você fala na folha de São Paulo que as universidades foram criadas na idade média para tirar a humanidade das trevas trazidas pela religião. Mas como assim, se as universidades foram criadas nessa época por iniciativa da própria IGREJA CATÓLICA?

    Curtir

    1. Geraldo, agradeço o comentário. As religiões trouxeram várias coisas boas. As Universidades começaram até em cima de temas religiosos e foram abrindo o leque de cursos a medida que o conhecimento foi se desenvolvendo. Agora a Inquisição, a condenação de Copérnico e qualquer outra crença científica que ia contra os dogmas da religião não são atos para se orgulhar. Na mesma linha entra a arrecadação de dízimo, a isenção de impostos, o envolvimento em política com membros no Congresso para defender seus interesses, a falta de governança na transparência dos recursos arrecadados e usados, o papel de intermediário de Deus gerando dependência nos fiéis, ao invés de estimular as pessoas a usarem o bem interior que já está dentro delas, que faz parte da natureza da vida humana.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s