2017: PIB – 3%; desemprego a 14%

A economia brasileira vai produzir (PIB) o quanto o mercado estiver disposto a comprar. A previsão de crescimento vem da demanda agregada, não da oferta. Ninguém produz para deixar parado em estoque se não há comprador.

A demanda agregada definida por Keynes tem 4 componentes que precisam ser analisados para a previsão de crescimento:

  • Consumo doméstico: poder de compra vai cair porque o desemprego deve subir para 14%. Desemprego só cai quando o país cresce pelo menos 2% ao ano, acima de um certo ‘ganho natural’ de produtividade. Adicionalmente com o real se valorizando vamos importar mais e reduzir o emprego
  • Consumo externo: com o câmbio flutuante e a força de nossas commodities agrícolas a tendência é do real se valorizar (doença holandesa) e vendermos menos para o mercado externo
  • Investimento privado: a valorização do real diminui o lucro dos empresários e a queda do consumo diminui a perspectiva de fluxo de caixa; a redução dos juros pode melhorar um pouco, mas não o suficiente no ritmo anunciado
  • Investimento público: déficit nominal previsto para 6-10% ao ano, com esta redução lenta dos juros, não gera poupança fiscal para investimentos

Em resumo, só temos elementos negativos na perspectiva da demanda agregada com a atual política macro-econômica. Em 2015 e 2016 tivemos 10% de déficit nominal resultando em PIB de -3,8% e -3,5%. Por que seria diferente em 2017? Os juros reais continuam em patamares exagerados, temos o déficit nominal irresponsável e o câmbio flutuante com doença holandesa se fortalecendo com a elevação do preço das commodities.

Adicional à inépcia macro-econômica temos a continuidade das descobertas de corrupção no Executivo e no Legislativo demonstrando extrema instabilidade política. E alguns elementos do STF tentando colocar toalhas quentes e alongar a situação de Impunidade. Não consigo ver nenhum cenário positivo até termos um novo poder Executivo eleito democraticamente com clara prioridade para agenda de emprego.

Neste contexto pergunto-me por que todos os analistas fazem projeções econômicas com base em nível de confiança, credibilidade e política, sem levar em consideração os dados econômicos que realmente afetam as decisões de investimento dos empresários criadores de empregos? A única notícia positiva que consigo imaginar é a cassação mais rápida da chapa para voltar a esperança de mudança de política macro. O país está sangrando.

 

 

Publicado por

Eduardo Giuliani

Empresário nos setores de bioenergia, agronegócio, venture capital, e imobiliário. Trabalhou como consultor pela McKinsey & Co. e investidor pela Advent International. Iniciou estudos sobre crescimento econômico em 1994 com o Curso National Economic Strategies de Bruce R. Scott na Harvard Business School (Membro do U. S. Competitiveness Policy Council). Cursou System Dynamics no MIT. Liderou trabalho de produtividade em Telecomunicações e Construção no McKinsey Global Institute. Engenheiro de Produção pela Escola Politécnica da USP. MBA pela Harvard Business School. Tenente da Reserva do Exército. Casado. Três filhos. Tri-atleta.

2 comentários em “2017: PIB – 3%; desemprego a 14%”

  1. Giuliani,

    A questão do câmbio é realmente central, inclusive é o ponto do Prof Bresser Pereira que sugere um imposto sobre as exportações de commodities (ele parte da constatação de que historicamente nosso câmbio é aquele de equilíbrio para as commodities. Assim, um imposto sobre as exportações de minério e grãos, por exemplo, tenderia a elevar o câmbio para um novo ponto de equilíbrio, beneficiando o desenvolvimento industrial, sem prejudicar as exportações).

    No curto prazo, parece-me que o melhor que podemos fazer é de algum modo provocar nas pessoas – em particular nos economistas formadores “de manada” – uma reflexão sobre o atraso que provoca cada vez que se associa um Real desvalorizado com algo ruim para o país.

    Até entendo a lógica populista de defender um câmbio sobrevalorizado, mas ela é só isso mesmo: populista.

    Sds

    Curtir

    1. É isto mesmo, Medina. Contudo o ponto ideal do câmbio é acima do novo equilíbrio que teríamos com a criação do imposto sobre exportação de commodities agrícolas e minerais. Este imposto pode eliminar o efeito de doença holandesa, contudo temos que ir além disto e garantir a competitividade econômica internacional que acelera a industrialização. Este nível é calculado hoje em R$8,8. Abs, EG

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s