Presidente Moro na Democracia Ineficaz

Moro é a melhor solução para a Presidência do Brasil considerando nossa História e contexto político. É necessário que construamos esta alternativa antes de 2022.

Tem brasileiro que acha que vive em país democrático porque vota para os cargos políticos. Com 37 milhões morando em favelas (18% da população), 12% no desemprego, 43% na informalidade e uma das piores concentrações de renda do mundo, é impossível querer acreditar que vive em uma democracia que visa o Bem da maioria. Os fatos demonstram que isto não é verdade.

Apesar de não vivermos em uma democracia plena, o melhor sistema para os brasileiros é o do voto direto para presidente. Basta analisar nossa história. Sempre que dependemos do Congresso para alguma decisão importante tivemos problemas sérios:

  • Em 1922 não impediram que Artur Bernardes assumisse na política do Café com Leite, apesar do povo estar totalmente contra o candidato
  • Em 1961 na renúncia do Jânio, instalaram um parlamentarismo com o Tancredo que foi o maior fracasso. Piorou a situação.
  • Em 1988 fizemos a Constituição dos Direitos Sem as Responsabilidades, que fez surgir um dos maiores esquemas de corrupção da humanidade, nos 3 poderes.
  • Em 2016 distorcem Leis Anticrime na noite do acidente da Chapecoense
  • Em 2017 mantém Temer (o Ilícito) por duas vezes no poder apesar de 90% de desaprovação popular
  • Em 2019 tentam passar leis para conter Abuso de Autoridades que buscam por um fim a Era da Lei de Gerson; tiram COAF da Justiça e perseguem Sergio Moro.

Nosso Congresso não forma líderes, simplesmente agrupa inúmeros ilícitos, que sempre controlam a maioria. Vários dos brasileiros mais ilícitos que tivemos passaram pela liderança do Congresso (Sarney, Temer, Cunha, Renan etc.).

Por outro lado, via voto direto, sempre escolhemos o menos pior dos candidatos. No momento da perda não sentimos isto, mas se analisarmos as circunstâncias históricas, considerando o que seria melhor para a maioria da população, precisamos reconhecer que os melhores sempre venceram.

Para continuarmos a evoluir, precisamos melhorar os candidatos, de maneira a termos menos piores realmente bons. Este foi o caso até 1984, e deixou de ser quando entramos nesta fase de Democracia Imperial (1985-2018) com desempenho econômico pífio de menos de 2,4% de crescimento por ano.

No atual imbróglio político e econômico que nos encontramos, com a Dinastia da Bozolândia piorando o país economicamente, dividindo os brasileiros, tentando desrespeitar a governança da Justiça (Polícia Federal, COAF, Queiroz, Milícia, Receita, acordo com Toffoli), desrespeitando o meio-ambiente e a boa diplomacia, corremos o sério risco de voltar a um ciclo de candidatos menos ruins em 2022. A alternativa Doria, com inteligência e competência, é amarrado com os ilícitos políticos e empresarias do passado. Seu amigo Temer fez com que ele quase perdesse a eleição para governador. Neste contexto volta a forte ameaça da esquerda irresponsável e ilícita.

A solução de consenso nacional é o Sérgio Moro. Ele já teria ganho do próprio Pixuleco nas eleições passadas, contudo não quiz partir para a carreira política. O único brasileiro com apoio legítimo da população, por mérito, e com o devido nível de inteligência é ele. Bozo está tentando diminuir o papel do Moro, contudo o poder de sua imagem é inquestionável. Temos desafios sérios para consertar as instituições (Congresso, Justiça, Executivo, Banco Central etc.). Moro é o Presidente de Honra do Brasil e precisamos convence-lo disto.

Publicado por

Eduardo Giuliani

Edu é empresário nos setores de agronegócio, bioenergia, venture capital e imobiliário. Trabalhou como consultor pela McKinsey & Co. (1991-97) e investidor pela Advent International (1998-99). Iniciou estudos sobre crescimento econômico em 1994 com o Curso National Economic Strategies de Bruce R. Scott na Harvard Business School (Membro do U.S. Competitiveness Policy Council). Cursou System Dynamics no MIT (1994). Liderou trabalho de produtividade em Telecomunicações e Construção no McKinsey Global Institute (1997). Engenheiro de Produção pela Escola Politécnica da USP (1989). MBA pela Harvard Business School (1995). Tenente da Reserva do Exército (1985). Casado. Três filhos. Tri-atleta.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s