Presidente Moro na Democracia Ineficaz

Moro é a melhor solução para a Presidência do Brasil considerando nossa História e contexto político. É necessário que construamos esta alternativa antes de 2022.

Tem brasileiro que acha que vive em país democrático porque vota para os cargos políticos. Com 37 milhões morando em favelas (18% da população), 12% no desemprego, 43% na informalidade e uma das piores concentrações de renda do mundo, é impossível querer acreditar que vive em uma democracia que visa o Bem da maioria. Os fatos demonstram que isto não é verdade.

Apesar de não vivermos em uma democracia plena, o melhor sistema para os brasileiros é o do voto direto para presidente. Basta analisar nossa história. Sempre que dependemos do Congresso para alguma decisão importante tivemos problemas sérios:

  • Em 1922 não impediram que Artur Bernardes assumisse na política do Café com Leite, apesar do povo estar totalmente contra o candidato
  • Em 1961 na renúncia do Jânio, instalaram um parlamentarismo com o Tancredo que foi o maior fracasso. Piorou a situação.
  • Em 1988 fizemos a Constituição dos Direitos Sem as Responsabilidades, que fez surgir um dos maiores esquemas de corrupção da humanidade, nos 3 poderes.
  • Em 2016 distorcem Leis Anticrime na noite do acidente da Chapecoense
  • Em 2017 mantém Temer (o Ilícito) por duas vezes no poder apesar de 90% de desaprovação popular
  • Em 2019 tentam passar leis para conter Abuso de Autoridades que buscam por um fim a Era da Lei de Gerson; tiram COAF da Justiça e perseguem Sergio Moro.

Nosso Congresso não forma líderes, simplesmente agrupa inúmeros ilícitos, que sempre controlam a maioria. Vários dos brasileiros mais ilícitos que tivemos passaram pela liderança do Congresso (Sarney, Temer, Cunha, Renan etc.).

Por outro lado, via voto direto, sempre escolhemos o menos pior dos candidatos. No momento da perda não sentimos isto, mas se analisarmos as circunstâncias históricas, considerando o que seria melhor para a maioria da população, precisamos reconhecer que os melhores sempre venceram.

Para continuarmos a evoluir, precisamos melhorar os candidatos, de maneira a termos menos piores realmente bons. Este foi o caso até 1984, e deixou de ser quando entramos nesta fase de Democracia Imperial (1985-2018) com desempenho econômico pífio de menos de 2,4% de crescimento por ano.

No atual imbróglio político e econômico que nos encontramos, com a Dinastia da Bozolândia piorando o país economicamente, dividindo os brasileiros, tentando desrespeitar a governança da Justiça (Polícia Federal, COAF, Queiroz, Milícia, Receita, acordo com Toffoli), desrespeitando o meio-ambiente e a boa diplomacia, corremos o sério risco de voltar a um ciclo de candidatos menos ruins em 2022. A alternativa Doria, com inteligência e competência, é amarrado com os ilícitos políticos e empresarias do passado. Seu amigo Temer fez com que ele quase perdesse a eleição para governador. Neste contexto volta a forte ameaça da esquerda irresponsável e ilícita.

A solução de consenso nacional é o Sérgio Moro. Ele já teria ganho do próprio Pixuleco nas eleições passadas, contudo não quiz partir para a carreira política. O único brasileiro com apoio legítimo da população, por mérito, e com o devido nível de inteligência é ele. Bozo está tentando diminuir o papel do Moro, contudo o poder de sua imagem é inquestionável. Temos desafios sérios para consertar as instituições (Congresso, Justiça, Executivo, Banco Central etc.). Moro é o Presidente de Honra do Brasil e precisamos convence-lo disto.

Publicado por

Eduardo Giuliani

Empresário nos setores de agronegócio, bioenergia, venture capital e imobiliário. Trabalhou como consultor pela McKinsey & Co. e investidor pela Advent International. Iniciou estudos sobre crescimento econômico em 1994 com o Curso National Economic Strategies de Bruce R. Scott na Harvard Business School (Membro do U. S. Competitiveness Policy Council). Cursou System Dynamics no MIT. Liderou trabalho de produtividade em Telecomunicações e Construção no McKinsey Global Institute. Engenheiro de Produção pela Escola Politécnica da USP. MBA pela Harvard Business School. Tenente da Reserva do Exército. Casado. Três filhos. Tri-atleta.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s