Poder de compra do trabalhador e respeito à inflação

Na vida é importante o foco em resultado. No caso de um país – economicamente falando – precisamos maximizar o poder de compra dos trabalhadores. Resultado. Este poder de compra vem através de empregos cada vez melhores, com mais valor agregado, e maior produtividade no trabalho. Sem aumento de produtividade não há aumento de poder de compra, visto que poder de compra em si é uma medida de produtividade, ou seja, o quanto cada trabalhador pode comprar.

Inflação está relacionada a poder de compra da moeda. Variável econômica de segunda ordem, que não pode ser usada para desviar a atenção do objetivo de primeira ordem: poder de compra dos trabalhadores.

Inflação é uma variável do mercado, que mede o quanto os preços estão subindo. Esta variável tem um papel importante da mão invisível para equilibrar oferta e demanda e garantir os incentivos corretos para os agentes. Nesta dimensão não pode ser distorcida, precisa funcionar. Se há falta de um produto o preço precisa subir para restringir o consumo a quem mais precisa destes produtos e incentivar com lucro adicional aos produtores para que aumentem a oferta e voltem a atender os segmentos que não foram atendidos ao preço mais alto.

Este mecanismo de inflação precisa ser respeitado e não pode ser distorcido via juros. O aumento de demanda representa o início do ciclo de crescimento, que fortalece o poder de compra dos cidadãos. Elevar juros para inibir esta demanda é uma grande distorção das forças econômicas.

Há uma segunda dimensão da inflação que é monetarista, ou seja, está relacionada ao equilíbrio entre papel moeda e produtos da economia. Quando o governo consome mais do que arrecada em tributos e, para isto, imprime papel moeda para cobrir o déficit, há um aumento de papel moeda sem lastro em produtos, que faz com que apareça uma inflação de ajuste de papel moeda. Esta inflação é péssima para a economia, foi criada irresponsavelmente, artificialmente, e costuma transformar-se na hiperinflação que tivemos na década de 80.

Os mecanismos para evitar o aumento de inflação estão em não ter déficit fiscal não financiável por dívida (déficit com lastro) e criar estímulos econômicos para aumento de oferta equilibrada com as demandas futuras. No Brasil cometemos a irracionalidade de combater inflação usando juros que aumentam ainda mais o déficit nominal. O efeito disto é a forte queda do poder de compra dos trabalhadores.

De maneira geral uma economia bem organizada tenderá a ter uma inflação baixa, tornando planejamento mais fácil. Contudo precisa ficar claro que combate a inflação a qualquer custo não faz sentido econômico dentro do conceito de aumentar o poder de compra dos trabalhadores.

Uma evidência empírica relevante é que o poder de compra dos brasileiros subiu mais nos quatro anos de hiperinflação (1986 a 1990) do que em todo o período de inflação baixa que veio após o Plano Real, em termos médios anuais. Outra evidência internacional interessante foi a Coréia do Sul que cresceu a taxas de 7% ao ano convivendo com inflação média anual de 19% de 1960 a 1980.

Publicado por

Eduardo Giuliani

Empresário nos setores de bioenergia, agronegócio, venture capital, e imobiliário. Trabalhou como consultor pela McKinsey & Co. e investidor pela Advent International. Iniciou estudos sobre crescimento econômico em 1994 com o Curso National Economic Strategies de Bruce R. Scott na Harvard Business School (Membro do U. S. Competitiveness Policy Council). Cursou System Dynamics no MIT. Liderou trabalho de produtividade em Telecomunicações e Construção no McKinsey Global Institute. Engenheiro de Produção pela Escola Politécnica da USP. MBA pela Harvard Business School. Tenente da Reserva do Exército. Casado. Três filhos. Tri-atleta.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s