Brasil sem Perspectiva. Ação Popular contra Sistema Financeiro: R$22 trilhões

Nossa situação econômica e social continua muito ruim e sem perspectiva de melhora no médio prazo. Desemprego e violência. A principal causa disto tudo está associada à política macro-econômica que define a demanda agregada pelo trabalho brasileiro. Nenhum dos candidatos propõe algo realista para solucionar este problema.

Os ilícitos do MDB, PSDB e PT vão continuar o mesmo jogo com as mesmas promessas. Apesar de controlarem a maior parte dos recursos financeiros para as campanhas, acredito que nenhum deles ganhe. Os demais incluem um ex-militar, populista, que já escalou na área financeira um banqueiro da Seita dos Falsos Liberais Rentistas.

A Marina, confusa, apesar de honesta, escalou uma equipe econômica também confusa, burocrática, não voltada para crescimento. E o Ciro, único candidato que tem tido coragem para enfrentar o sistema financeiro, possui assessores birutas que não demonstram conhecimento técnico razoável para levar o país na direção da riqueza. São elementos que não sabem balancear planejamento com as forças do mercado. Parecem muito interventores com grande elemento de incompetência. Em resumo a situação está feia e o cenário mais provável está de manutenção do status quo, mas com menos corrupção.

Nos últimos 24 anos, desde a implantação do Plano Real em 1994, o sistema financeiro nacional composto por Copom, Banco Central e Febraban manipularam intencionalmente a taxa de juro (SELIC) brasileira na defesa de seus interesses em detrimento da geração de riqueza para a comunidade brasileira. Estimo que perdemos R$22 trilhões de reais, sendo R$4 trilhões desde 1994 quando nos enfiaram definitivamente na pior depressão voluntária criada na história da humanidade.

Neste contexto sem perspectiva, com grande intensidade de covardia nacional (militares, empresários, faculdades, mídia e jornalistas) só resta o caminho da Justiça via Ação Popular. Iniciamos a estruturação desta Ação na coluna à esquerda deste blog. Caso tenha dados concretos que corroborem nossa tese, ou a demonstrem incorreta, favor enviar para o email giuliani.edu@gmail.com.

Publicado por

Eduardo Giuliani

Edu é empresário nos setores de agronegócio, bioenergia, venture capital e imobiliário. Trabalhou como consultor pela McKinsey & Co. (1991-97) e investidor pela Advent International (1998-99). Iniciou estudos sobre crescimento econômico em 1994 com o Curso National Economic Strategies de Bruce R. Scott na Harvard Business School (Membro do U.S. Competitiveness Policy Council). Cursou System Dynamics no MIT (1994). Liderou trabalho de produtividade em Telecomunicações e Construção no McKinsey Global Institute (1997). Engenheiro de Produção pela Escola Politécnica da USP (1989). MBA pela Harvard Business School (1995). Tenente da Reserva do Exército (1985). Casado. Três filhos. Tri-atleta.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s