Capitalismo Honesto traz Progresso Imediato.

Falso liberalismo, comunismo e sacerdócio vendem o conceito de sacrifício para um bem futuro. Vendedores de Promessa. Juro alto para combater inflação, reforma trabalhista, reforma da previdência, reforma tributária, reforma educacional, investimentos em infra-estrutura, só sacrifícios para um dia chegar no paraíso… o País tem que ficar perfeito para poder crescer e gerar empregos? Certo é o que dá certo, não o que parece certo.

Quando são aplicados conceitos macroeconômicos corretos (juro e câmbio) o resultado na economia é imediato porque estes conceitos têm como base a melhoria da projeção do fluxo de caixa dos empresários nacionais, principais agentes do desenvolvimento, da geração de emprego e da arrecadação tributária. As variáveis mais importantes que impactam as decisões dos empresários são taxa de juro e câmbio.

O ignorante aprende rápido, principalmente se demonstrar a humildade de que é ignorante no assunto. O inepto não tem jeito, é fechado ao aprendizado, mistura todos os conceitos, e o resultado na maioria das vezes dá errado. Ignorância não é problema, mas inépcia é problema.

Equipe há 100 dias no governo, mais do que isto envolvidos nos principais problemas da nação e os resultados econômicos, fiscais e sociais até agora são Pífios. Desemprego e miséria aumentaram, perspectiva de crescimento da economia piorou (1,3%), aceitação popular caiu mais de 20% e equipe econômica tem perspectiva de, se todas as reformas forem aprovadas (previdência, fiscal, privatização etc.) deveremos chegar a um crescimento de 4%, o que manterá o desemprego em mais de 10% e a informalidade bem alta nos 4 anos do governo. Caos social para qualquer governo que se diga minimamente democrático. Este caos precisa ser enfrentado com mudança drástica na política macroeconômica.

SuperInepto Tchutchuca Chicago Donkey está queimando o governo Bolsonaro. Cadê a coragem do Tenentismo para empurrar Ordem e Progresso no país? O capitão é ignorante mesmo ou é inepto? A reação de bom senso no caso Petrobras deu esperança de que é ignorante mas tem coragem para enfrentar situações que vão contra o bom senso. Os caminhoneiros são a categoria de empresários brasileiros em maior volume e com melhor formação (muitos tem curso universitário). O capitão deu ouvido a eles.

Agora a patotinha do Leblon tem um plano de negócios para eles evidenciado na coluna da Claudia Safatle no Valor, contudo não se preocupam nem um pouco com um plano de negócios para o Brasil. Na agenda deles têm:

  • Manutenção da alta taxa de juro Selic (comprovado na última reunião do Copom)
  • 67 medidas para destravar o mercado de capitais gerando mais negócios para a Seita (endowment funds, hedge cambial, redução de tributação sobre inadimplência etc.)
  • Cortar financiamentos pelas instituições públicas para transferir aos bancos privados, mantendo o gargalo e as altas taxas de juro
  • Privatizar empresas para gerar caixa para pagar parte da dívida pública
  • Independência do Banco Central (tirando poder do Presidente intervir por questões sociais e políticas; como se ambas fosse irrelevantes e não democráticas)
  • Reforma fiscal

A Independência do Banco Central merece destaque porque é o maior golpe que estão aplicando em cima do Capitão Ignorante. O projeto estabelece direitos para o Banco Central, sem as devidas responsabilidades. Copiam os direitos do exterior, mas nem mencionam as responsabilidades que deveriam vir juntas. Patotinha totalmente desonesta:

  • Missão do FED é maximizar emprego com juro moderado, no Brasil fixaram minimizar inflação
  • Profissionais do FED são completamente independentes de instituições financeiras privadas. Têm carreira no governo ou em instituições de ensino. No Brasil eles vêm de bancos privados (Itaú, Bradesco, Santander…FEBRABAN)
  • Responsabilidade fiduciária e social dos dirigentes quanto aos interesses da população, minimizar juro para maximizar renda e emprego.
  • Responsabilidade fiscal dos dirigentes para minimizar juro maximizando poupança fiscal para investimento em infra-estrutura social

As batalhas contra a corrupção e a previdência vão indo muito bem. Moro já fez o projeto e está lidando agressivamente com o Congresso para avançar nesta agenda. STF Ilícito está sendo encurralado pela mídia e pelos outros poderes. Continuamos com progressos promissores. No caso da previdência também estão fazendo os enfrentamentos possíveis. Não é um assunto simples, deveria poder ser feito com mais calma, mas de uma forma ou de outra há progresso. Contudo estas realizações não impactam muito na satisfação da população tendo em vista a continuidade da frustração econômica.

A batalha que não está acontecendo é a do desemprego. A única esperança que tem aparecido nesta agenda vem com os artigos do André Lara Resende no Valor. André foi o cérebro por trás do Plano Real, no meio de 3 deseconomistas da Seita (Bacha, Franco e Arida). Suas pesquisas estão demonstrando que o juro exagerado desde a implantação do Plano Real detonaram com o país. Ele ficou bastante surpreso com as reações negativas de seus colegas de mercado a suas constatações, todas baseadas em dados concretos. André demonstra conhecimento e postura com responsabilidade fiduciária, social e fiscal para ser o Presidente de Honra do Banco Central. Vejam seu último artigo no Valor Razão e Superstição do Déficit.

O capitão é ignorante ou é inepto? As próximas semanas vão deixar isto claro. Tudo que a equipe do tchutchuca está fazendo vai continuar piorando a situação social. O amor do capitão está com o povo brasileiro, ou com a oligarquia financeira? O passeio de moto no Guarujá me deu esperanças.

A Ilusão Guedes

A função da Ciência Econômica é gerar riqueza (renda) com inclusão social. Este é o grande tema por trás dos trabalhos de Smith (criador da Economia: A Riqueza das Nações 1776) e Keynes (criador da Macroeconomia: Teoria Geral do Emprego 1936).

Quando um brasileiro viaja para o exterior para estudar, deve procurar abrir sua consciência para novos conhecimentos ao invés de ser doutrinado. Ciência busca a Verdade (VE-RI-TAS), o fato concreto, do que é melhor para a Humanidade. Não aceita doutrinação por religiões, seitas ou pensamentos obscuros.

Desde que Darwin descobriu a Origem das Espécies, desde que identificamos vários fósseis humanos com mais de 6.000 anos, Adão e Eva é claramente conto do vigário das religiões. O sacerdócio fica tentando manter seu poder de várias formas, mas que deus criou o mundo a partir de Adão e Eva não cola mais para qualquer ser humano minimamente científico.

Situação similar ocorre na área econômica. Desde Smith nenhum governo honesto com sua população pratica liberalismo irresponsável. Vendem liberalismo para outros países consumirem seus produtos, mas não vendem liberalismo para comprar produtos de outros países. Desde Keynes que nenhum governo honesto e bem informado pratica manipulação negativa de juro e câmbio em seus países. Estas funções são muito bem controladas pela sociedade sendo um desvio de 0,25% na taxa de juro para um ou outro lado razão para um grande debate.

Guedes foi estudar nos EUA para ser doutrinado. Ao invés de usar lógica em seus argumentos, lógica que demonstre geração de emprego e renda em nosso país, usa o nome da escola. “Se a escola apóia estes conceitos é porque é bom para o Brasil”. Inepto. Colador de respostas em provas. Não pensa com a própria cabeça. Por outro lado um sul-coreano bastante inteligente, que não foi doutrinado, Ha-Joon Chang escreveu um livro chamado Kicking Away The Ladder, demonstrando que o liberalismo de Smith foi usado para enriquecer a Inglaterra. Era uma linha de argumentação que permitia a Inglaterra enriquecer com os outros países comprando seus produtos industrializados. E HJC dá hoje aulas em Cambridge, berço de Keynes.

Liberalismo econômico por si só não é ruim. É ruim quando usado de maneira cega, como um dogma que não pode ser questionado, quando a real função objetivo de um governo deve ser maximizar a renda de seu povo com inclusão social. Nos aspectos que o liberalismo ajuda neste objetivo, deve ser implantado, onde atrapalha, não. Sejamos coerentes e equilibrados.

Liberalismo efetivamente atrapalha:

  • na ausência de planejamento e acompanhamento de uma visão para o país
  • na gestão da demanda agregada via câmbio competitivo e juro moderado
  • na definição de taxa de câmbio devido à doença holandesa,
  • na abertura de mercado sem ter taxa de câmbio competitiva,
  • na diminuição do papel do governo em áreas que a iniciativa privada não atua e são importantes para o futuro econômico do país

Enquanto o falso liberalismo de usar juro para distorcer inflação de mercado é um desrespeito ao laissez-faire já amplamente absorvido pela humanidade desde os fisiocratas na França e Adam Smith. Inflação se combate no controle fiscal das despesas do governo, incluindo nestas despesas o próprio juro, e nunca imprimindo papel moeda para cobrir déficit.

Neste contexto a área de Planejamento (incluindo Economia) deveria ter um foco claro na geração de emprego. Enquanto a missão do FED é maximização de emprego nos EUA, a missão de nosso BC é minimizar inflação a qualquer custo. É a missão do Guedes. É a missão que a oligarquia financeira impõe ao Brasil para manter o juro alto e a rentabilidade do setor deles.

Precisamos quebrar este vício enfrentando esta oligarquia. Não podemos fugir desta batalha. Vamos usar conhecimento, dados, lógica, a Verdade Macroeconômica e não dogmas econômicos falsos que prejudicam nossa comunidade.

Infelizmente Guedes é inepto e está mantendo o Brasil na direção errada.

 

O que você pode fazer pelo Brasil V – EMPREGO

Voltamos a ter um governo de respeito que procura honestamente colocar os brasileiros mais competentes em cada uma das posições de comando. Cenário pouquíssimo provável há 6 meses. Missão Impossível que nosso Herói Bolsonaro conseguiu executar. Com orçamento extremamente restrito, venceu todos os ilícitos contra os quais estava concorrendo, ganhando a grande maioria dos votos da Inteligência Brasileira (ensino fundamental completo) tendo toda a grande FakeMídia contra ele. Um Fenômeno que todos temos que agradecer.

Engajou de volta no comando do Brasil as Forças Armadas, trouxe Moro (Brasileiro mais respeitado no Mundo) para consertar a Justiça, e procurou montar o melhor ministério possível. Não é perfeito, mas é uma excelente evolução quando comparado a tudo que tivemos desde que os militares entregaram o comando. Coragem, meritocracia e cidadania são de novo valores com os quais podemos contar pelos próximos anos.

Apesar de toda esta mudança institucional que está sendo feita, nosso principal problema está na verdade na situação macroeconômica: DESEMPREGO. 12% procurando emprego, mais de 43% dos trabalhadores na informalidade, desalento e altos índices de violência.

Mais de 70% da população está otimista com o novo governo e acha que a situação econômica vai melhorar. O ambiente econômico é extremamente importante para a felicidade e o nível de satisfação dos seres humanos. Vivemos para evoluir, progredir, queremos sempre usar o máximo de nossas potencialidades.

Neste contexto a humanidade teve a sorte de gerar o Iluminado John Maynard Keynes, que em 1936 escreveu Teoria Geral do Emprego, do Juro e da Moeda. Guia do grande sucesso em crescimento de riqueza dos últimos 100 anos. Os asiáticos estão entre seus principais seguidores, mas americanos, alemães, suecos foram em muito influenciados por Keynes. Nos EUA o FED colocou em sua missão principal a maximização de emprego.

E é aqui que temos que focar nossas atenções diariamente. Aproveitar esta nova oportunidade que estamos tendo de ter uma equipe séria no comando, e tentar influenciar de todas as formas o foco em geração de emprego.

As melhores práticas internacionais demonstram que é possível crescer 10% ao ano através de gestão competente da demanda agregada. China é o melhor exemplo dos últimos 40 anos, mas vários países já atingiram este patamar (Singapura, Coréia do Sul, Taiwan etc.), sendo o Brasil um deles (1955-60 com JK, 1967-74 com Costa e Silva e Médici).

A demanda agregada é definida matematicamente através da taxa de câmbio, do juro e da poupança fiscal do governo (através dos investimentos). Variáveis em total controle da equipe econômica. Nossos cálculos indicam que uma taxa de câmbio de competitividade econômica internacional de R$9 e juro moderado de 2% (Selic) elevariam bastante a demanda agregada brasileira para nos colocar nesta trajetória de crescimento. Devemos também cobrar impostos nas exportações de commodities agrícolas e minerais (ICMS de 20-30%). Estas medidas em conjunto resolverão todos nossos problemas fiscais no curto prazo.

Apesar de serem medidas simples, baseadas em cálculos e teoria macroeconômica moderna, e amplamente seguida no restante do mundo, no Brasil não há debate sobre estes assuntos. Já participei de concursos na FGV-SP (EESP), no Insper, na Folha e no Valor, e os textos que tocam nestes assuntos não são nem selecionados. Claramente não se busca a Verdade no ambiente macroeconômico brasileiro, seja nas instituições de ensino, seja na mídia. Há uma poderosa Seita dos Falsos Liberais Rentistas que abafa discussões que questionam o juro da Selic. Se o Brasil fosse levantar uma dívida de USD400B de curto prazo no mercado internacional teria que pagar um juro real de 1%. No mercado interno o BC paga voluntariamente pelo menos 4-8% desde 1994. Por que não trocamos nossa dívida interna com juro de 6,5% por esta internacional logo após uma maxidesvalorização?

Devemos cobrar da equipe atual que nos apresente a taxa de crescimento, o nível de desemprego e o índice GINI dos anos do governo (2019 a 2022). Observando todas as medidas econômicas sendo anunciadas de Previdência, privatizações, abertura comercial e tripé cambial/fiscal fica óbvio que estaremos no trajeto de voo de galinha dos últimos 25-40 anos. E assim o desemprego e a desigualdade social vão continuar.

Os militares estão acostumados a taxas superiores a 5,6% ao ano. Já perguntaram para a equipe atual quanto vão entregar com o liberalismo econômico socialmente irresponsável como Keynes descobriu em 1920-36?

Vamos aproveitar este novo governo que está em busca da Verdade para termos uma discussão macroeconômica mais profunda e sem preconceitos? Eu aposto metade do meu patrimônio e minha vida econômica neste diagnóstico. A equipe do governo controlando estas variáveis faria o mesmo? São pessoas honestas e comprometidas do setor privado que são realmente sócios deste país junto com todos os brasileiros? Ou estão ali para defender os interesses da Oligarquia Financeira que nos prejudica desde 1994?

A História da Inflação no Brasil

Vamos cobrir aqui sobre o conceito de inflação, como ela evoluiu durante a nossa História (1900 até hoje) e o desafio nas mãos de Bolsonaro.

Inflação é a medida do aumento de preços. Há uma variação natural nos preços decorrentes de efeitos do mercado, ou seja, se faltar um produto o preço sobe, se houver em excesso o preço cai. O laissez-faire enfatiza a importância de deixar o mercado definir os preços, para garantir eficiência econômica através das ações corretivas dos agentes (empresários e consumidores). O governo deve monitorar esta situação para evitar que empresários formem cartéis que visam aumentar os preços em detrimento dos interesses dos consumidores. Este contexto gera uma inflação natural que varia entre -2 a 3%. Um dígito.

Um fator ainda mais relevante que gera inflação, e geralmente maléfico, é quando o governo gasta mais do que arrecada e imprime papel moeda para cobrir o déficit orçamentário. Este mecanismo é extremamente nocivo à saúde econômica do país, e é bastante comum com governos irresponsáveis ou ilícitos que “mordem” um pedaço do orçamento através de seus pixulecos. Este comportamento entra em espiral e transforma-se em hiperinflação exigindo algum tipo de plano econômico para conte-la.

O Brasil até 1930 (país agrícola no fim dos ciclos da borracha e do café) era muito influenciado pelo mercado internacional, e teve períodos de inflação mais alta (até 30%), e de deflações (até – 18% nas depressões e/ou guerras), mas com a média abaixo de 10%. Nossos Presidentes foram em sua maioria responsáveis nas questões fiscais.

Getúlio assume em 1930 e com Dutra manteve a mesma austeridade com inflação média de 10% e atingindo picos de 21%. (BR-Evolução-Inflação)

JK entra para detonar com este patamar entregando governo com 40% de inflação como consequência de seus projetos ambiciosos de investimento. Os investimentos em infra-estrutura não seriam inflacionários seguindo muito bem o conceito de Keynes, mas a criação de Brasília em tão pouco tempo consumiu recursos que o governo não tinha e também não gera retorno em tributação futura de economia fortalecida.

Jânio ganha as eleições para cortar os gastos e colocar o país nos trilhos contudo foi inocente ao confiar em um Congresso de ilícitos para lhe passar amplos poderes (1960). Apresentou uma carta de renúncia que foi prontamente aceita, tirou seu poder que foi para o primeiro ministro Tancredo Neves e depois João Goulart. Estes dois bagunçaram de vez as contas do país levando a inflação para 90%. Jânio imaginou que os Congressistas iriam pensar primeiramente no país, e não só em seus próprios interesses de continuar mordendo o orçamento.

[Historicamente nosso congresso ou líderes políticos em grupo só nos decepcionam: 1922, 1960 e 1988 são alguns exemplos. Em 1922 Epitácio queria impedir a posse de Bernardes que era odiado por todo o país. Os militares (tenentes) ainda não eram fortes o suficiente e tivemos que engolir este déspota. Em 1988 criaram a Constituição da Impunidade e da Irresponsabilidade Fiscal que nos enfiou neste período de Democracia Imperial e corrupção extrema. Nossos presidentes sempre foram muito melhores do que o Congresso, tanto que rejeitamos parlamentarismo em 1962 e em 1993].

Castello Branco virou presidente e organizou a casa trazendo a inflação para 40%. O pulso firme de Costa e Silva, e de Médici fizeram o “Milagre Brasileiro”, levando crescimento para 11% ao ano e reduzindo inflação para 16%. Os considerados “carrascos” foram nossos dois melhores líderes em desempenho econômico (crescimento, inflação e emprego), sendo que Costa e Silva deu a vida pelo país morrendo de derrame no meio da baderna da esquerda armada.

Geisel assume comprometido com a manutenção de crescimento e emprego, mas absorve o primeiro choque do petróleo (barril de USD13 para USD50) que impacta a maioria dos preços da economia. Inflação retoma patamar de 40%. Como estratégia de contingenciamento cria o pró-álcool e o programa nuclear.

A situação sai fora de controle mesmo é com o Figueiredo. Ele coloca o ilícito do Delfim Netto no Planejamento e deixa o orçamento frouxo com a perspectiva da transição política para a democracia. O Congresso ilícito bagunça o orçamento público e a inflação bate 224%. Figueiredo não tinha o perfil de pulso firme dos anteriores e estava determinado a fazer a abertura política que aumentou em muito a estrutura do estado.

Este comportamento de irresponsabilidade fiscal continua com Sarney e Collor, fazendo planos de congelamento culpando os empresários, quando na verdade a causa estava no gasto público. Só quando Itamar veio com pulso firme, de um político republicano honesto, houve o controle efetivo dos gastos públicos através do Plano Real. O príncipe ilícito da reeleição ficou com os méritos do plano, mas foi com certeza o pulso firme de Itamar que determinou o sucesso da eliminação da hiper-inflação da irresponsabilidade fiscal.

O Brasil não corria mais o risco de hiper-inflação desde Itamar contudo o príncipe é tão ilícito que continuou usando o argumento do medo da inflação para entregar nossa economia para a oligarquia financeira, que manipula a taxa de juro no Copom desde 1994 (argumentando o uso do juro falsamente para controlar a inflação, em desrespeito ao laissez-faire de Smith e política expansionista de base monetária de Friedman). Já causaram R$22 trilhões de prejuízo ao país, ao impor um crescimento de 2,5% ao ano, quando no mínimo deveríamos ter tido 4,1% de nossa média histórica republicana pre-1930 (sem o acompanhamento militar).

Bolsonaro representa um retorno da alma tenentista para o comando do país, contudo está começando com o pé esquerdo ao colocar o falso liberal SuperInepto Guedes no comando da Economia. Está entregando a chave do galinheiro para uma raposa. A esperança fica na meritocracia militar quando perceberem que os resultados em geração de emprego não estarão acontecendo a partir de janeiro. E aí precisamos voltar para a Teoria Geral do Emprego (Keynes) dos governos brasileiros até 1978.

Os Desafios de Bolsonaro: Oligarquias

Bolsonaro começa muito bem seu governo, antes mesmo da posse, fazendo um planejamento e processo de seleção de equipe profissional (Moro, Pontes, Generais etc.). Coragem, Meritocracia e Cidadania estão voltando a ser nossos valores e assim retomaremos o lema de Ordem e Progresso. Fim da Democracia Imperial Ilícita que tivemos desde 1985.

As ilicitudes declaradas em contratos com governo e estatais estão com os dias contados. Já tivemos uma boa limpeza no Executivo e no Legislativo nestas eleições. Ela deverá continuar nos próximos anos e passar a incluir o Judiciário da Impunidade, STF entre eles.

O desafio de JB estará em lidar com 4 oligarquias que prejudicam nosso desenvolvimento inclusivo: financeira, agronegócio, servidores públicos e sacerdócio.

A oligarquia financeira domina o debate macroeconômico nos jornais e nas instituições de ensino. Através de argumentos falsos, principalmente o combate à inflação, usam juro abusivo que restringem nosso potencial de crescimento e de geração de investimentos em infraestrutura social. Estimo em R$22 trilhões as perdas causadas ao país desde 1994. Tentei participar de debates na FGV/EESP e no Insper sobre os defeitos no tripé macroeconômico usado e os papers nem foram aceitos. Lara Resende escreveu artigo no Valor caracterizando o uso do juro no combate à inflação como ineficiente e ineficaz e foi fortemente atacado pela Seita dos Falsos Liberais Rentistas que dominam a mídia nacional. Em resumo, não há meritocracia e busca da Verdade no debate macroeconômico brasileiro.

Esta oligarquia líder vilã nacional está no coração do governo com o SuperInepto e SuperIlícito Paulo Guedes que já tentou:

  • Dar independência ao mais ilícito e inepto Banco Central do mundo
  • Controlar a Indústria “apesar do industriais brasileiros” para destruir de vez nosso processo de industrialização que já caiu de 22% do PIB para 11% com a abertura comercial irresponsável e levar o Brasil de volta para Colônia, traindo os ideais de Tiradentes.
  • Pegar o CADE para evitar a interferência da Justiça nas análises de concorrência que prejudicam os consumidores, em questões financeiras (juro), comerciais e industriais
  • Controlar a Agricultura para continuar com o pacto de juro exagerado para o país, mas subsidiado para o setor agrícola

PG, maçã podre perigosa, já está até com indícios de irregularidades éticas no relacionamento com investidores institucionais públicos. Os sinais não são bons, mas o importante mesmo é o que ele vai fazer com a demanda agregada nacional através do juro e do câmbio a partir de 01 de janeiro. Vamos aguardar para ver se entraremos em rota de crescimento ou em voo de galinha com possível Guerra Civil.

A oligarquia da agricultura, segunda em poder, com a maior bancada no Congresso (210) tem juro subsidiado (acordo com a financeira) e impostos reduzidos através da eliminação de ICMS, PIS e COFINS na exportação (Lei do Inepto Kandir). Não pagam os devidos impostos, utilizam em demasia nossa infraestrutura, geram poucos empregos sendo a maioria de baixo valor agregado, e ainda sobrevalorizam a moeda de maneira a inviabilizar nossa estrutura industrial. E aceitou ficar debaixo da Economia para continuar com este pacto maléfico para o país. Na verdade um pacto inepto para eles e para o país. Se tivéssemos um câmbio de competitividade econômica internacional de R$8,8, eles teriam mais lucro do que hoje, mesmo pagando 30% de imposto de exportação (que financiaria as melhorias de infraestrutura) e o juro de mercado (que deveria hoje estar em 2% + risco do negócio agrícola).

O Ministério da Produção deveria incorporar Indústria, Agricultura, Comércio Exterior e Trabalho, com foco em maximização de renda e emprego para todos os brasileiros. O Ministério da Economia deveria ficar com o foco de maximizar a demanda agregada nacional através de juro e câmbio, minimizar o custo financeiro e controlar o orçamento dos vários órgãos e entidades. O Planejamento precisa ficar próximo do Presidente para criar uma Visão de País (como o Brasil deverá ser daqui a 40 anos em termos de empregos, infraestrutura, inclusão social etc.) assim como analisar o impacto das ações das diversas áreas na vida dos brasileiros (eficiência de Pareto), mostrando os trade-offs que devem ser considerados em cada decisão.

A oligarquia dos servidores públicos tem remuneração acima da média do setor privado, não corre o mesmo risco ao ter estabilidade no emprego, está claramente corrompida como demostra a Lava Jato e constitui a segunda maior bancada no Congresso (132). Servidores públicos deveriam ser proibidos de legislar em causa própria. Não deveriam poder votar em qualquer lei que influencie seus interesses pela simples honra de respeito a situações de conflito de interesse com o país. Precisamos de princípios constitucionais que garantam que a remuneração de servidores públicos devem sempre ser 100% alinhadas com o setor privado em termos de valores, riscos e responsabilidade. Um bônus de desempenho para servidores públicos deveria poder remunerá-los tão bem quanto empresários para minimizar o custo do agente. O presidente de um país que cresce mais de 5% ao ano deveria ficar bilionário durante seu mandato.

A oligarquia do sacerdócio com inúmeros representantes no Congresso (82) garante que suas instituições não arrecadem tributos apesar de terem um dos negócios mais lucrativos existentes. Como que um negócio “religioso” não arrecada tributos que seriam usados para investimento na infraestrutura social do país? O negócio religioso é o que menos faz para os benefícios sociais do Brasil e usa seu poder econômico com isenção tributária para garantir seus interesses no Congresso.

Bolsonaro, Herói Nacional, venceu a FakeMídia e o poder dos ilícitos do PT, do PSDB e do Centrão. Conquistou o voto da grande maioria da Inteligência Brasileira (ensino fundamental completo) que tem bom discernimento. Traz consigo as Forças Armadas para fazerem parte do governo. Contudo está sendo constantemente assediado pelas quatro oligarquias que nos enfiaram no imbróglio atual. Brasil Acima de Tudo precisa ir muito além de neutralizar o PT. A Vós Confio!

 

 

O SuperInepto Guedes, a Verdade e a Guerra Civil

Nosso desafio primordial neste momento é econômico, fazer o Brasil crescer gerando bastante emprego. E o SuperInepto Guedes só anunciou medidas que vão na direção oposta, esconde a Verdade macroeconômica e defende os interesses de sua classe da Seita dos Falsos Liberais Rentistas. Câncer que detonou os governos Dilma e Temer. E vem nos dando taxas de crescimento de 2,5% ao ano desde o Plano Real em 1994 (perdas de R$22 trilhões em PIB), ritmo de crescimento do Brasil Imperial, que não vai absorver nossa mão-de-obra com trabalho de qualidade. É uma maçã podre em um governo que começa muito bem com a volta dos valores militares de coragem, meritocracia e cidadania para nossa sociedade. Não está sendo respeitada meritocracia na área econômica.

Vamos analisar a Verdade macroeconômica. O Brasil tem um problema de demanda agregada que não está absorvendo nossa mão-de-obra em volume e qualidade. Desemprego em 12% com alta informalidade e desalento. E temos mais de 1 milhão de novos brasileiros ingressando no mercado de trabalho todos os anos. Crescimentos abaixo de 2-3% não geram emprego novo, pois são bem absorvidos com aumento de produtividade. Precisamos de um forte aumento da demanda agregada para ritmos superiores aos 5,6% da média dos períodos com acompanhamento militar (1930-1984).

Este problema de demanda agregada é causado por moeda sobre-valorizada por doença holandesa de nossas commodities agrícolas e minerais diminuindo exportações industriais e aumentando importações, e pelo déficit fiscal causado por juros abusivos (Selic) que diminuem arrecadação e elevam as despesas financeiras. Em resumo a política de câmbio e juro define a demanda agregada e o emprego dos brasileiros.

Os empregos de qualidade estão sumindo. Indústria de Transformação que ocupava 21% do PIB, está em menos de 11%. Salário médio é de R$2,2K/mês, nível de empregada doméstica de SP. (Informalidade). Melhorar emprego significa criar mais empregos na indústria. Industrialização. Nossos industriais são improdutivos como todos nós somos improdutivos em uma comparação internacional. Contudo os empregos industriais são de produtividade muito mais alta do que dos setores de onde a indústria atrai a mão-de-obra (agricultura, comércio informal e construção). É isto que interessa, melhoria na riqueza média do Brasil. Inclusão social.

As melhores práticas no assunto estão na Ásia (Singapura, China, Coréia do Sul, Malásia etc.), países que não são liberais e têm tido as melhores taxas de crescimento nos últimos 50 anos. São responsáveis. Fazem bom planejamento da economia e usam muito bem o capitalismo, incluindo toda a comunidade. Enquanto Israel chegou a USD38K/cap com país liberal que maltrata palestinos e briga com toda a redondeza por questões religiosas, Singapura está em USD85/cap e se relaciona bem com todos os vizinhos. Ambos começaram progresso na década de 60. Um é Iluminado e o outro belicoso liberal.

O SuperInepto quer manter a mesma política macroeconômica atual (tripé e BC independente) e investir na reforma da previdência que só possui impacto no longo prazo. Nenhuma medida de curto prazo para gerar emprego imediato. Fala em abrir mais o mercado e diminuir impostos para a indústria. Abrir o mercado reduz a demanda agregada com a entrada de importações e diminuir impostos aumenta o déficit fiscal. Vai piorar ainda mais a situação e levar o país para possível situação de Guerra Civil, visto que 45% desaprovam o Bolsonaro e parte dos 55% podem ficar desiludidos se a vida não melhorar nos próximos meses depois de tantas promessas de campanha. Situação similar a do Macri na Argentina, causada também pelo liberalismo inepto.

Dar independência para um BC que controla todas as variáveis macroeconômicas relevantes para a definição da demanda agregada (juro e câmbio) e, mesmo assim, teve um desempenho pífio nos últimos 40 anos, é assinar um cheque em branco para ilícitos. Direitos sem responsabilidades, totalmente fora de qualquer bom senso na meritocracia militar.

É muito importante que nossos militares acompanhem bem o SuperInepto, usem a inteligência e o bom senso que possuem, avaliem com base em dados concretos de taxa de crescimento e redução de desemprego, e descartem a maçã o quanto antes. Se observarem a Verdade e não ficarem cegos com as promessas e manipulações matemáticas falsas, poderão conseguir evitar um mal maior.

Na última fase militar no governo brasileiro havia uma maçã podre, o brilhante mas desonesto deseconomista Delfim Netto. Ajudou Costa e Silva e Médici a fazer o Brasil crescer acima de 9% ao ano na fase 1968-74, Milagre Brasileiro, contudo gerou contexto de irresponsabilidade fiscal no orçamento do governo que prejudicou a imagem dos militares com o início da hiperinflação. Este fenômeno é ligado à impressão de papel moeda para cobrir déficit fiscais de interesses políticos escusos no orçamento público. Imagino que por ligação do Delfim com as empreiteiras. Vamos evitar que isto se repita porque as Forças Armadas precisam definitivamente ficar bem sincronizadas para nossa sociedade funcionar com Ordem e Progresso.

O Posto Ipiranga do Bolsonaro é realmente um posto ipiranga. O mesmo posto ipiranga que anunciou há uma década que a gasolina deles era sustentável porque plantavam árvores suficientes para compensar o efeito estufa gerado pelo consumo de gasolina dos veículos que abasteciam em seus postos. Não sabem fazer conta, por ordem de grandeza. Ineptos.

Mito, Herói Nacional.

É importante reconhecer mérito em uma sociedade justa. A imagem que a mídia nacional transmitia para o meu subconsciente era de um “boçal”. Contudo observando o apoio de um profissional do calibre do general Mourão que desafiou as ilicitudes do STF, analisando a liderança absoluta de voto pelos brasileiros mais bem instruídos (ensino fundamental para cima) e de maior renda (acima de salário mínimo), e ainda surpreso com a manifestação #elenão de inúmeras e inúmeros figuras, pesquisei quem é Jair Bolsonaro.

Considerando princípios que “certo é o que dá certo, não o que parece certo” vide o sucesso do Mito, e “mais cabeças (Brasil) pensam melhor do que menos (a minha)” cheguei a conclusão que o Mito é um Herói Nacional, do patamar do Moro. Moro este que deveria ter se candidatado, mas preferiu deixar esta iniciativa para outros brasileiros. O Mito foi lá, levou a facada e está criando uma grande Revolução Democrática e de Cidadania no país. A História dele é de Coragem, Meritocracia e Cidadania, valores das Forças Armadas que moldaram a Nação.

  • Descendente de imigrantes italianos e alemães.
  • Aos 15 anos ajudou os militares a encontrar possíveis esconderijos do terrorista Lamarca no Vale do Ribeira.
  • Formado na Academia Militar de Agulhas Negras (AMAN) é artilheiro e paraquedista, o que significa fazer parte de uma elite dentro do Exército.
  • Liderou manifestação interna pela melhoria da remuneração dos militares, que estava muito baixa e causando a perda de inúmeros talentos. Demonstra aqui o espírito do Tenentismo de 1922, 24, 25-27 e 30 de luta contra injustiças que tirou o Brasil das mãos das oligarquias do café com leite e dos coronéis estaduais.
  • Migrou da carreira militar para ajudar o Brasil na política. Vereador pelo RJ e depois 7 mandatos de deputado federal. Tem 3 filhos e uma ex-esposa com carreira política. Envolve-se em importantes temas polêmicos que ferem os valores nacionais e cria uma campanha com o nome “Brasil Acima de Tudo; Deus Acima de Todos”
  • Líder absoluto no 1o turno com 46% dos votos válidos tendo entre seus eleitores os brasileiros mais bem instruídos e de maior remuneração, ou seja, a Inteligência Brasileira votou nele e já teria dado a ele a presidência no 1o turno
  • Foi o candidato com menos recursos financeiros e menor tempo de TV. Simplesmente não teve recursos para informar melhor os brasileiros mais pobres e menos instruídos. Contudo quase todo o recurso público de campanha, que estavam com o MDB/Centrão, PSDB e PT foram usados para denegrir sua imagem e só conseguiram obter 6% dos votos os dois primeiros grupos e 30% o terceiro.
  • Maior renovação do Congresso Nacional desde 1990 e de governos estaduais, tendo alguns candidatos com recorde de votos (p.ex. Janaína Paschoal e Eduardo Bolsonaro) e eliminação de inúmeros entres os principais ilícitos já conhecidos (Dilma, Jucá, Lindbergh, Eunício, Alckmin, Beto Richa, Requião, Perillo, Sarney Filho e Lobão)
  • Tudo isto sem composição por troca de cargos no Executivo nacional
  • Traz o General Mourão para a vice-presidência e com ele nossa Instituição adormecida desde 1985: As Forças Armadas.

Se morresse hoje já iria para nosso Pantheon junto com Tiradentes, José Bonifácio, Benjamin Constant, Floriano Peixoto, Affonso Penna, Getúlio Vargas, JK, Castello Branco, Costa e Silva, Médici e Moro.

Terá inicialmente 4 anos pela frente visto que vai acabar com a reeleição. Se focar em crescimento de 10% ao ano (padrão militar) e inclusão social para acabar com nossa miséria e maximizar o aproveitamento dos 210 milhões de cérebros brasileiros, o céu será o limite: Iluminado.

Tenho consciência que está começando com uma equipe econômica errada de maçãs podres, mas esperança de que o envolvimento de uma instituição como as Forças Armadas vão consertar este caminho no curto prazo.

Inspiração B17